A verdadeira Igreja de Cristo


Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la (Mt 16,18).

A decisão de escrever essa postagem é única: Jesus fundou uma só Igreja. E é sobre esse trecho bíblico que está a confirmação e a confissão de nossa fidelidade e da fidelidade de Pedro. Quando Jesus diz a minha Igreja, ele não disse ‘minhas igrejas’. Ou seja, ele fundou apenas uma. Que Igreja é essa? A Igreja Católica. Ela é a única que subsiste desde a morte de Jesus até hoje. É a única que ficou de pé dentre tantas outras seitas que foram fundadas durante esse tempo. Nisso reconhecemos que ela é a Igreja que Cristo fundou e a única que nos encaminha a salvação.

Já vi muitos protestantes falarem que a Igreja Católica se corrompeu e que, por isso, são as igrejas evangélicas as certas a se seguirem. Com essa afirmação, eles contradizem o seu princípio da Sola Scriptura, indo contra a Bíblia. Jesus disse que as forças do Inferno não poderão vencê-la. Então, a Igreja não se pode corromper porque Jesus a sustenta e porque ele disse que o Inferno não poderá vencê-la. Nenhuma idolatria pode derrotar a Igreja de Cristo, pois, como Papa Leão XIII já falava, a Igreja é firme demais para ser derrotada pelo esforço humano.

Quando dizemos que a Igreja Católica é a única que Jesus fundou, sabemos disso porque São Pedro foi, naquele época, conforme escritos de Santo Agostinho, o primeiro papa. Depois dele, afirma Sto. Agostinho, veio Lino. E isso é comprovado. Muitos protestantes afirmam que se Pedro fosse realmente o primeiro papa, ele não teria negado Jesus, o que é um tremendo erro, já que Jesus não deu a Pedro a impecabilidade. Se isso for levado em conta, então, a profissão de amor que Pedro fez por Jesus depois que o havia negado anula o seu pecado. Isso aconteceu em João 21,15-19.

Quando Pedro diz três vezes amar Jesus, o que o Mestre decreta? “Cuida das minhas ovelhas” (Jo 21,17). Essas ovelhas não são um rebanho literalmente, mas sim a Igreja de Jesus. Se a primeira declaração de edificação da Igreja fosse nula (Mt 16) – o que não aconteceu, essa confirmaria novamente que Pedro é o pastor da Igreja de Cristo. Assim, até hoje, existem os sucessores de Pedro, que são chamados Papas. Eles são os guias do rebanho.

Para que acreditar num Papa e como entender sua infalibilidade quando fala sobre assuntos de fé e moral? A frase que segue confirma isso: “Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus” (Mt 16,19). Isso quer dizer que, quando o Papa se declara ex-cathedra, ou seja, como Pastor da Igreja, a declarar um dogma de fé e algo a ser seguido, aquilo é verdade, pois, a chave do Reino está com ele. [ah, mas a assunção de Maria não está na Bíblia...] Nem os dinossauros; mas eles existiram. E, além disso, o Novo testamento, especialmente, trata sobre a vida de Jesus e não de Maria.

“Roma locuta; causa finita”, já dizia Santo Agostinho. Por quê? Porque quando Roma se declara, ela está falando em nome do Espírito Santo, pois, está com as chaves do Reino. Acho que não foi para Lutero que Jesus deu as chaves do Reino e muito menos para ele que Jesus disse: “Apascenta minhas ovelhas”. Será, então, que estamos certos em seguir outras religiões que não sejam a Igreja Católica, a Igreja que foi fundada por Jesus Cristo? Acho que não…

Graça e paz.

Um comentário sobre “A verdadeira Igreja de Cristo

  1. Pingback: impecabilidade.net - A verdadeira Igreja de Cristo « Ecclesiae Una

Os comentários estão desativados.