PAPA: SÃO JOÃO MARIA VIANNEY, EXEMPLO PARA OS JOVENS


Rádio Vaticano

Castel Gandolfo, 05 ago (RV) – Esta manhã, no pátio interno da residência de Castel Gandolfo, o papa concedeu a primeira audiência geral aos peregrinos depois do retorno dos dias de descanso passados entre as montanhas, em Les Combes.

Como o faz habitualmente, Bento XVI fez sua catequese em italiano, resumindo-a, em seguida, em várias línguas, entre elas, o português. Inspirando-se na festa litúrgica de ontem, Dia de São João Maria Vianney, o pontífice acolheu os fiéis franceses com a seguinte exortação:

“Convido todos a rezarem para que seu testemunho seja para os padres de hoje um ensinamento que os encoraje a viver seu ministério com fé e generosidade. Que, com a intercessão do Cura d’Ars, o Senhor doe à sua Igreja padres santos, que encontrem em seus fiéis sustento e colaboração em sua missão de anunciar o Evangelho”.

Após descrever brevemente a vida do Santo, sua força profética e vivência catequética, o papa disse que a vida de João Maria Vianney, 150 anos depois, ainda é hoje um exemplo para os jovens. Em português, proferiu as seguintes palavras:

“Amados peregrinos de língua portuguesa, sede bem-vindos! A todos saúdo com grande afeto e alegria, nomeadamente aos grupos que vieram de Palhaça e do Brasil com o desejo de encontrar o Sucessor de Pedro. Com votos de que vossas existências sejam uma catequese vivente como foi a vida do santo Cura d’Ars, desça sobre vós, vossas famílias e comunidades a minha Bênção”.

Para as 4 mil pessoas presentes, (entre as quais um numeroso grupo de brasileiros), o papa falou também em inglês, espanhol, polonês, húngaro e tcheco. No fim do encontro, Bento XVI recordou a memória litúrgica da Dedicação da Basílica de Santa Maria Maior, que nos convida a imitarmos fielmente o desejo divino, e recomendou:

“Recorram a Ela com confiança, queridos enfermos, para provar, no momento da dificuldade, a eficácia de sua proteção; confiem a Ela, queridos noivos, sua família, para que seja sempre amparada pela sua materna intercessão”.

Enfim, o pontífice concedeu a todos a sua benção apostólica.
(CM)