A BUSCA PELA PALAVRA ETERNA


A QUEM IREMOS NÓS?
O Evangelista João, que tem em seu Evangelho uma forte característica teológica, após a apresentação que Jesus faz de si mesmo como o Pão da Vida descido dos Céus, que toma quese todo o sexto capítulo, no final o evangelista escreve aquilo que sucintamente comprovar-se-ia no Calvário.
Após as palavras de Cristo, Pão da Vida, muitos não queriam mais segui-lo porque achavam suas palavras duras demais. Como alguém pode se oferecer como alimento: “Eu sou o pão da vida?” Ou ainda: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna”? Estaria ele louco? Seria um charlatão? Um neurotico?
Para alguns sim, para outros não.
Ora, mediante as “duras palavras” que levaram alguns a se retirarem, Jesus não tentou “simplificar”, muito menos “concertar” aquilo que havia dito. Não! Pelo contrário, ainda perguntou aos discipulos: “Vós também não quereis retirar-vos” (Jo 6,67). Pedro em nome dos discipulos toma a palavra, e mais uma vez, inspirado pelo Espírito Santo diz: “Senhor, a quem iremos? Só tu tens palavra de vida eterna” (v. 67).
É nisto que nós cristão cremos: Jesus tem palavra de vida eterna.
No mundo hodierno deparamo-nos com uma sociedade que busca satisfazer o prazer material, encher o bolso de banqueiros que já estão satisfeitos, criando assim uma desigualdade social muito grande, pois os pobres e necessitados veem-se decriminados por falta de igualdade. Um mundo que assiste a desintegração da família; a perda dos valores éticos e morais, cívicos e cristãos.
Vemos avançar um secularismo iniciado na reforma protestante, com o movimento de muitos cristãos se afastando da Igreja. Cristo sim, a Igreja não. Ora, se não é a Igreja Católica a Igreja de Cristo, qual seria? Algumas seitas que vem surgindo desorientadas e sem doutrinas? Feita por homens que não tem nenhuma formação? Obvio que não!
A Igreja foi encarregada para que anunciasse o Evangelho e denunciasse as obras do mal, como diz São Paulo. Ela é portadora do Evangelho da Salvação. É a “coluna e fundamento da verdade” (1Tm 3,15). E como portadora ela deve proclamar aquilo que lhe foi mandado: “prega a palavra quer agrade quer desagrade”, diz Paulo.
Assim como Jesus não retornou à modificar seu ensinamento, assim também a Igreja não pode retornar para modificar o ensinamento que foi-lhe foi confiado.
Portanto, quem espera que a Igreja volte atrás em asssuntos polêmicos como aborto, eutanásia…, nunca verá concretizado este “sonho”. A Igreja é sinal de Cristo no mundo, não é sinal do desejo dos homens.
Não deixe que a sua fé caia no vazio que o mundo prega. Sinta-se feliz por ser católico.
Saiba que não se encontra solução fora de Cristo. Não se deixe abater por besteiras que os outros falam sobre sua fé católica, seja você quem for que agora está lendo este texto. Não se afaste da igreja por besteiras, e muito menos perca sua fé por isso.
Se falei besteira também não perca sua fé por isso.
Ian Farias
Dário Meira, 9 de setembro de 2009