ISSO É QUE NÃO TEMER O INFERNO!


Li esta notícia no blog “Adversus Haereses”. Qual “Igrejola” falta agora?
Estou pasmo com essa notícia. É o cúmulo do ridículo.

Igreja do Orgasmo procura reconhecimento oficial na Suécia

A Igreja Madonna do Orgasmo, que tem centenas de seguidores, deu um importante passo em direção ao reconhecimento oficial na Suécia ao receber de uma corte o direito de se registrar como uma comunidade de fé.

Inicialmente, um órgão público da Suécia recusou o registro à Igreja alegando que o seu nome poderia ofender os cristãos. Mas o fundador da instituição, Carlos Bebeacua, ganhou a apelação na corte administrativa local.

O órgão público ainda pode apelar contra a decisão. Caso não faça isso, será obrigado a registrar a igreja que foi fundada no início dos anos 90 e tem Carlos como Cardeal auto-proclamado.

Carlos teve a ideia de criar a igreja depois que a sua pintura “A Madonna do Orgasmo” sofreu protestos na Feira Mundial de Sevilha, na Espanha, em 1992.

Para Carlos, “O orgasmo é deus, o orgasmo deve ser adorado”. Segundo ele, “o orgasmo é o principal sentimento de luxúria e não deve ser limitado à ejaculação. Você pode alcançá-lo através da arte ou ao olhar uma paisagem enquanto pensa ‘Uau!’”

A igreja tem apenas sacerdotes mulheres e suas escrituras são chamadas de Catecismo do Orgasmo. O livro pregado é o do sexo.

Durante as cerimônias, as sacerdotizas lêem versos, comem frutas e bebem suco. Sexo não é o foco, mas também não é proibido.

http://minhanoticia.ig.com.br/editoria/Inusitadas/2008/11/19/igreja_do_orgasmo_procura_reconhecimento_oficial_na_suecia_2119975.html

Tribunal da Suécia proíbe o nome ‘Igreja da Madona do Orgasmo’

Denominação é agressiva e ofensiva, decidiu corte. Para seu criador, objetivo é ‘louvar o orgasmo como deus’. Um tribunal da Suécia proibiu na semana passada que um homem registrasse uma igreja com o nome de “Igreja da Madona do Orgasmo”, por considerar o nome “agressivo”.

A Corte de Apelações Administrativas argumentou que a denominação religiosa fundada pelo artista Carlos Bebeacua “viola os costumes aceitáveis” com sua combinação de palavras, segundo as agências locais. De acordo com a decisão, o nome ofende não apenas os cristãos, mas também a sociedade em geral.

Bebeacua argumentou que a igreja tem o objetivo de encorajar as pessoas a “louvar o orgasmo como deus”. Segundo ele, esse conceito não se limita à ejaculação, mas pode ser experimentado também pela arte, pelo contemplar de uma paisagem ou por um pensamento.