PAPA: REFLEXÃO SEM FÉ PODE SER VÃ.

Cidade do Vaticano, 21 out (RV) – Bento XVI foi acolhido essa manhã por pelo menos 40 mil fiéis na Praça São Pedro, para a Audiência Geral. Todos os setores que ladeiam a praça estavam repletos de grupos, inclusive de peregrinos brasileiros.


O pontífice fez a sua catequese inspirada na personalidade de São Bernardo, fazendo um auspício a todos nós:


A fé é antes de tudo o encontro pessoal íntimo com Jesus, a experiência da sua proximidade, da sua amizade e do seu amor: só assim se aprende a amá-lo e conhecê-lo cada vez mais. Espero que isso possa acontecer com cada um de nós”.


Sobre a vida de São Bernardo, o pontífice ressaltou que este Pai da Igreja foi um dos maiores autores do pensamento teológico medieval. Segundo Bento XVI, que passou a maior parte da vida como teólogo, quando não alimentadas por uma íntima relação como o Senhor, as grandes reflexões teológicas sobre os mistérios divinos correm o risco de se transformar em “vãos exercícios intelectuais”.


O abade de Chiaravalle gostava de repetir aos teólogos e monges de sua época que só um nome conta: Jesus o Nazareno. “Todo alimento da alma é árido quando não irrigado com este óleo; é insípido quando não temperado com este sal. Os escritos não terão sabor se neles não se ler Jesus” – dizia o Santo.


Dirigindo-se aos teólogos de hoje, seu ex-colega (e muitas vezes mestre) observou que “às vezes, pretende-se resolver as questões fundamentais sobre Deus, o homem e o mundo somente com as forças da razão; mas, sem uma profunda fé em Deus, nossas reflexões sobre os mistérios divinos podem perder a credibilidade.


A mensagem lançada pelo pontífice aos presentes hoje na Praça São Pedro é que “assim como São Bernardo em seus tempos, nós também, hoje, devemos reconhecer que o homem procura melhor Deus e o encontra com mais facilidade mediante a oração e não a discussão”.


Bento XVI também saudou os peregrinos em português:


Amados brasileiros do Rio de Janeiro e demais peregrinos de língua portuguesa, com afecto a todos saúdo e abençôo, desejando que a vossa peregrinação até junto do túmulo dos Apóstolos Pedro e Paulo reforce, em cada um, a sua fé. Esta é, antes de tudo, encontro íntimo e pessoal com Jesus Cristo. Que esta experiência vos leve a conhecê-Lo, amá-Lo e segui-Lo cada vez mais! Ide com Deus!“.

Papa lembra dificuldades dos africanos

Bento XVI lembrou esta Quarta-feira no Vaticano as dificuldades que atingem as populações de África, pedindo que “não falte o nosso apoio espiritual e material”.

Na audiência geral desta semana, diante de milhares pessoas reunidas na Praça de São Pedro, o Papa aludiu ao Sínodo dos Bispos para a África, que se conclui no próximo Domingo, e disse que a Igreja nesse continente “cresce continuamente, apesar das dificuldades”.

A Igreja Católica, acrescentou, “não só propaga e aprofunda a fé em Cristo, mas também leva ajuda às populações que ainda sofrem por causa da pobreza, dos conflitos ou da falta de acesso à instrução e à saúde”.

Saudando depois os vários peregrinos presentes, Bento XVI frisou que a recente celebração do Dia Mundial das Missões convida a “reflectir mais intensamente sobre o compromisso missionário da Igreja e de cada um dos seus membros”.

“O mês de Outubro incita-nos a renovar a nossa cooperação activa na missão da Igreja. Com as energias frescas da juventude, com a força da oração e do sacrifício e com as potencialidades da vida conjugal”, prosseguiu.

Em conclusão, o Papa pediu aos fiéis “apoio concreto a quantos sofrem, dedicando a sua existência à evangelização dos povos”.

Bento XVI saudara os peregrinos de língua portuguesa, “desejando que a vossa peregrinação até junto do túmulo dos Apóstolos Pedro e Paulo reforce, em cada um, a sua fé. Esta é, antes de tudo, encontro íntimo e pessoal com Jesus Cristo”.

Como curiosidade, refira-se que entre os presentes estava um grupo búlgaro da paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Pleven.

Papa nomeia novo bispo para Catanduva (SP)

O Papa Bento XVI nomeou, nesta quarta-feira, 21, como novo Bispo da diocese de Catanduva (SP), o padre Otacílio Luziano da Silva. Ele sucederá a Dom Antônio Celso Queirós, que apresentou seu pedido de renúncia por idade, conforme o cânon 401 §1º do Código de Direito Canônico.

O novo bispo completará 55 anos no próximo dia 31. Nascido em Maracaí (SP), padre Otacílio foi ordenado presbítero no dia 6 de dezembro de 1987 na diocese de Marília (SP). Atualmente é reitor do Seminário Provincial Sagrado Coração de Jesus, curso de filosofia, da diocese de Marília.

Formado em parapsicologia latu sensu pelo Centro Latino-americano de Parapsicologia, em São Paulo, padre Otacílio foi pároco nas paróquias de São José, em Florínea; Santo André, em Tarumã; Nossa Senhora da Boa Esperança, em Lutécia; Nossa Senhora do Carmo, em Oscar Bressane; São Sebastião, em Palmital. Além disso, exerceu o cargo de reitor do Seminário Menos São José, em Assis; vigário geral da diocese de Assis. Foi membro do Conselho de Presbíteros e do Colégio de Consultores da diocese de Marília.

Dom Celso tem uma história de grandes serviços à Igreja no Brasil. Ordenado bispo auxiliar de São Paulo em 1975, foi transferido para Catanduva, em 2000, tornando-se seu primeiro bispo. Foi secretário geral da CNBB por dois mandatos (1987-1994) e também vice-presidente (2003-2007). Além disso, foi membro da Comissão Episcopal de Pastoral, linha 1 da CNBB; Delegado da CNBB junto ao CELAM (1995-1998); Delegado à Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para a América por eleição da Assembléia da CNBB e confirmado pelo Papa João Paulo II (1997). Atualmente é o bispo responsável pelo Setor Leigos na Comissão Episcopal para o Laicato da CNBB.