A pureza (e não só ela) é filha da caridade – II

Progredi na caridade, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor. Quanto à fornicação, à impureza, sob qualquer forma, ou à avareza, que disto nem se faça menção entre vós, como convém a santos.

Carta de São Paulo aos Efésios 5,2-3

Ah, caridade! Virtude teologal, irmã da fé e da esperança. Ah, caridade, tão cantada como “amor”, mas de execução tão difícil! Mais uma vez São Paulo coloca a caridade a frente, precedendo as outras virtudes e combatendo os vícios.

Ah, Senhor, dai-me caridade que todas as outras virtudes virão juntas. Senhor, dando-me a caridade degolarás a luxúria quando compreender a ordenação dos afetos. Degolarás a cobiça quando puser os bens á disposição do próximo. Degolarás o orgulho quando ver tua face no meu irmão. Degolarás a preguiça quando me puser em marcha para fazer o bem. Degolarás a gula quando dividir meu pão com quem precisa. Degolarás a inveja quando reconhecer teus dosn no próximo. Degolarás a Ira quando agir com a tua mansidão para com os homens.

Não combata eu fraco de peito aberto aos vícios. Reforce a minha virtude da caridade, Senhor. A caridade combaterá os vícios por mim.