Cresce número de evangélicos no Brasil. Mas fora da Igreja continua não havendo salvação.


Está nos jornais desta última semana: Catolicismo cai 22,4% e vê nova ascensão de evangélicos; uma notícia semelhante saiu no G1: Aumento de evangélicos no Brasil reduz número de católicos para 64,6%. “Herança da colonização portuguesa, o catolicismo enfrenta o momento de maior arrefecimento da história do Brasil”, reporta o Terra. “Mesmo mantendo sua predominância, o catolicismo perde cada vez mais terreno para a religião evangélica.” Os números falam por si. Nas últimas duas décadas, a pesquisa revela que um grupo de aproximadamente 123 milhões de fiéis deixou de se declarar “católico”.

O uso do itálico na palavra “fiéis” é proposital. Ora, se estes que deixaram o catolicismo fossem verdadeiramente fiéis, não teriam abandonado a sua fé, traído a sua Igreja, renegado o seu Batismo. Se “migraram” da barca de Pedro para a confusão dos botes protestantes, é porque ou não possuem um conhecimento autêntico da doutrina – questão de ignorância – ou se entregaram ao relativismo moral e ao pragmatismo subjetivista – questão de egoísmo mesmo.

Gostaria de deter-me um pouco nesta questão do relativismo. Está se espalhando de maneira assustadora no meio dos cristãos uma ideia diabólica, segundo a qual a religião não seria mais importante, afinal “placa de igreja não salva ninguém” – é o que dizem costumeiramente. Pior de tudo: há muitos “católicos” aderindo a esta forma de pensamento – não surpreende que muitos desses mesmos “católicos” depois se filiem a comunidades evangélicas, traindo uma Fé que, na verdade, nunca conheceram de fato. Realmente, a salvação não tem nada a ver com “placa de igreja”. A salvação tem a ver com a Igreja. O uso da letra maiúscula aqui identifica algo muito maior e mais significativo que um simples edifício material ou uma mera denominação religiosa; identifica aquilo que as Escrituras dizem ser o Corpo Místico de Cristo (cf. Cl 1, 24). E este edifício espiritual, que tem o próprio Cristo como cabeça, é sim necessário para a salvação. Afinal, foi pela Igreja que Jesus se entregou em sacrifício, ensina São Paulo: “Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível” (Ef 5, 25-27). E esta Igreja tem fundamento visível, constituído pelo próprio Deus. Foi a São Pedro que nosso Senhor concedeu as chaves do Reino dos céus e foi sobre ele também que edificou a Sua Igreja (cf. Mt 16, 18-19). Pela história, sabemos que os apóstolos deixaram sucessores e estes, ao longo dos séculos, foram transmitindo a Fé que receberam, mantendo-a íntegra, incólume. Então, não tem nada de “o que importa é o coração” ou “eu me basto”; o que basta é a doutrina apostólica, é o ensinamento dos primeiros cristãos, é a pregação do Evangelho na sua pureza. E isto é legado aos cristãos pela Igreja Católica, fora da qual – dizemos e repetimos com orgulho – não há salvação.

Ora, mas isto não é entrar em defesa de “placa de igreja”? Absolutamente não! Como foi dito, estamos falando da Igreja, e não de igrejas… Estas têm a ver com fundação humana, têm a ver com a rebeldia, com a desobediência, desde a revolta de Lutero no século XVI até o escândalo dos mercenários pentecostais de nosso tempo, como Valdomiro Santiago, Edir Macedo et caterva. Quando dizemos que fora da Igreja não há salvação, falamos daquela fundada por Deus – a Igreja de Cristo, “una, santa, católica e apostólica”, esposa do Cordeiro.

Como diz São Cipriano, “aquele que se separa dela (…) se junta com uma adúltera”. Estes que se juntaram principalmente às seitas pentecostais geralmente experimentaram os amargos frutos da Teologia da Libertação. Sedentos de uma experiência mais pessoal com nosso Senhor, acabaram entregando-se a uma prostituta – nem todos verdadeiramente conscientes disto. Outros dissidentes, porém, traíram a Cristo gratuitamente. Mesmo sabendo que “esta Igreja, peregrina na terra, é necessária à salvação” (CIC, n. 846), correram para as seitas, em busca de conforto econômico, físico ou psicológico. “Porque virá tempo – já alertava o Apóstolo dos gentios – em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas” (2 Tm 4, 3-4).

Aquilo que o IBGE traduz como estatística já estava profetizado por São Paulo há milênios. Não temos o que temer; não há porque se assustar. Acontece em nossos tempos aquilo que nosso Senhor já falava que seria o julgamento: “A luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más” (Jo 3, 19).

Graça e paz.
Salve Maria Santíssima!

22 comentários sobre “Cresce número de evangélicos no Brasil. Mas fora da Igreja continua não havendo salvação.

  1. E se depender do “trabalho” dos padres carismáticos pró teologia da libertação esse numero vai aumentar muito mais. Alias, é muito menor o numero de católicos do que dizem as pesquisas porque muitos se dizem católicos mas não cumprem com suas obrigações, fazem sua propria interpretação da religião. Aliás com toda essa heresia modernista menos de 5% hoje frequenta a igreja católica.

    Dos meus colegas de infancia que na epoca só existia o catolicismo, hoje todos abandonaram o catolicismo cançados de ouvir falar do “pobre” porque os pastores e mediuns espiritas falam do inferno, do mal, dos anjos e demonios, enfim, ensinam “doutrina” e não blablablá marxista.

    Quem deveria ensinar o catecismo deveria ser o paroco, não aquelas senhoras que não sabem nada de nada. E muitos católicos abandonaram a Igreja porque Padre fábio de Melo e seu amigo Chalita defenderam casamento homossexual.

  2. O verdadeiro católico, aquele que tem uma formação adequada, aquele que reza o terço em família, esse jamais deixará a Igreja Católica para unir-se aos lobos vestidos cordeiros. Os evangélicos, com sua herética teologia da prosperidade, filha da doutrina da predestinação de Calvinoir~/ao aumentar cada vez mais, enquanto os católicos serão cada vez menos. A falha está na desinformação, na falta de estudo da doutrina católica. O heresiarca Leonardo Boff viaja e cima para baixo dando palestras, sempre com salões lotados de padres – e até bispos – querendo saber mais sobre essa doutrina do diabo. A Teologia da Libertação representa para a Igreja Católica o que representou o liberalismo teológico de Ludwig Schleiermacher para o luteranismo. O evangélicos ficam tolamente se vangloriando desse fato, enquanto disputam a tapas os incautos, que lhes darão 10 por cento do seu salário para que os “pastores” levem uma vida nababesca. A Igreja Católica, por sua vez, utiliza o dinheiro com finalidade mais que nobre. A Caritas e a Ajuda a Igreja que Sofre são o nosso orgulho. Na minha cidade, o maior e mais bem equipado hospital pertence à Congregação da Divina Providência, utiliza tecnologia de ponta e 60 por cento dos leitos são destinados ao SUS. O hospital luterano é um hotel cinco estrelas, não atende pelo SUS. Temos um asilo dirigido pela Congregação das Irmãs de Santa Elizabeth, uma congregação polonesa, que cobra dois salários mínimos e três para as pessoas que são totalmente dependentes. O asilo luterano, que tem a mesma qualidade, cobra , se não me engano R$ 4 mil reais. Cabe salientar que as duas instituições católicas são altamente reconhecidas pelo trabalho que prestam, tanto pela população em geral como pela classe empresarial e pelo governo do Estado. Essa é a religião católica, de que tanto me orgulho. Um padre católico ganha um salário mínimo para se manter. O Silas Malafaia estava oferecendo salário de até R$ 20 mil para “pastores” com experiência. Quem está pagando a conta? Osz tolos dos fiéis, que eram católicos e se recusavam a pagar o dizimo, que na verdade não é dízimo, é o dá quanto pode.E hoje dão 10 por cento do salário, e ainda se orgulham de serem trouxas.

  3. Eu fico triste de ler esses números, pois é a confirmação da quantidade de pessoas que estão recorrendo a uma fé que tem por fundamento o proselitismo e usa ritos espíritas para atrair, tudo muito bem disfarçado com as Palavras da Sagrada Escritura. Vivemos uma época em que as pessoas querem viver a sua liberdade, e em nome dela se entregam facilmente a convites que lhes levarão ao pecado, que é a morte da Graça. Eu observo no meu dia-a-dia o perfil desses fiéis protestantes e posso descrever sem medo de errar: pessoas geralmente assaliaradas, simples, vivem em atribulações familiares, discordam dos irmãos de fé, querem estar lá no “palco” ministrando uma Palavra que não vivenciaram, gostam de ser apontados por seu talento de cantar, de palestrar, enfim, todos esses seguimentos e acreditam fielmente que já estão salvos por saberem apenas que existe um Jesus Cristo. Ser católico é compreender que o evangelho de Jesus Cristo tem que ser vivenciado todos os dias, e que nós, humanos, somos convidados a ser anuncio desse evangelho com a própria vida, Cristo nos tornou seus apóstolos e discípulos, o que significa sermos seguidores de seus ensinamentos e anunciadores do que aprendemos e vivemos. E viver a Palavra de Jesus Cristo não é uma missão fácil, ela é árdua, é dura. É deixar tudo para traz e vivermos o homem novo em Jesus Cristo. Sermos como Ele foi e isto é morte de cruz. Não basta ouvir a Palavra, mas vivencia-la com amor, temor e tremor. Porém, ainda sabemos, que muitos que se afastaram da Igreja Católica e passaram pela igreja protestante, fizeram seus caminhos de volta para a Igreja de Cristo, e os que não retornaram, ainda o farão, pois somente a Igreja Católica oferece o Cristo verdadeiramente.

    A Paz de Cristo e o amor de Maria.

  4. Isso e o que acontece, quando alguns homens da Igreja a entregaram aos seus inimigos durante o VII. chamaram mulcumanos, protestantes, judeus, e ateists para dar opiniao sobre a Igreja. tai o resultado. Agora lideres da Igreja, chorem a desolacao do lugar por causa da suas traicoes contra a Santa Igreja. E tem outros que falaram que nas outras igrejas tambem o povo pode ser salvo. tai o resultado. se em outras igrejas, pessoas podem se salvar, para que precisam da Igreja Catolica. E continuam na teimosia. Chamam hindus para ensinar Catolicos. ainda fazem a reuniao de Assis. Que Deus tenha misecordia da sua Igreja.

    • Seria interessante citar os respectivos lugares nos principais sites católicos.

  5. Coloco aqui uma pergunta: são menos os católicos no Brasil ou são mais os católicos convictos e praticantes?

    Se por um lado as estatísticas demonstram uma menor percentagem de pessoas que se declaram católicas, por outra, as mesmas mostram um aumento impressionante no número de paróquias, de participação nas Missas, de vocações à vida sacerdotal e religiosa (masculina e feminina), de novas comunidades e movimentos católicos etc. Na verdade, agora não temos mais 99.7% de “católicos” que iam na Igreja uma vez por ano, mas sim uma multidão todos os dias nas nossas igrejas.

    “Os dados revelam um crescimento vertiginoso no número de paróquias entre os anos de 1994 a 2010, em diversos Regionais da CNBB, com destaque para os regionais Leste 2 (de 1.263 para 1.722) e Sul 1 (de 1.651 para 2.431) , que correspondem ao Estado de Minas Gerais e Espírito Santo (Regional Leste 2) e ao Estado de São Paulo (Regional Sul 1), que são os dois maiores Regionais em número de paróquias e de contingente populacional.Padres
    Em 2000 eram 16.772 padres. Em 2010 chegou a 22.119 padres. A distribuição de padres por habitantes é outro fator levantado pela pesquisa. Em 2000 havia pouco mais de 169 milhões de habitantes e para cada sacerdote eram 10.123,97 habitantes. Dez anos depois havia aproximadamente 190 milhões de habitantes e cada padre teria o número de 8.624,97 habitantes”.

    Vejam os dados do L’Ossevartore Romano.

    http://www.news.va/pt/news/bispos-brasileiros-clarificam-situacao-igreja-cato

  6. CATÓLICO ATENTO AO “PULO DO GATO” PROTESTANTE E AO ASSÉDIO DAS SEITAS

    O contexto abaixo destina-se aos católicos para que estejam preparados para os ataques constantes de maus protestantes aos dogmas e confissões de fé da Santa Igreja.
    Lembramos que nem todos os protestantes observam o catolicismo com hostilidade e não poucos fiéis e pregadores realizam boas obras e assumem compromissos sólidos com a palavra de DEUS.

    Abaixo, conforme já disse, apresento uma espécie de sugestões que visam afugentar membros de denominações que se dizem protestantes, as quais insistem em polêmicas e que visam atacar dogmas de fé e preceitos católicos.

    Reconheço que é direito de todo e qualquer cidadão exercer livremente sua fé e até mesmo propaga-la, desde que tal empenho não venha demandar qualquer ato de violência ou grave ameaça. Repudio toda e qualquer forma de discriminação religiosa.

    Comecemos:

    A abordagem de um protestante a um católico desinformado sobre a Santa Igreja inicia-se geralmente da seguinte maneira:

    Protestante: “Posso falar um minutinho com o senhor ?”
    Católico: “Sim”
    Protestante: “O Senhor crê em DEUS ?”
    Católico: “Sim”
    Protestante: “O senhor crê na Bíblia ?”
    Católico: “Sim”
    Protestante: “O senhor concorda que a Bíblia é a verdade ?”

    Nesse ponto o católico será doutrinado e muitas vezes convencido.
    A resposta do católico a pergunta do protestante naturalmente é sim. Lógico que o católico crê na Bíblia.
    Então o protestante diz, por exemplo:

    “O senhor diz crer na bíblia. Portanto, o senhor concorda que tudo aquilo que está fora da Bíblia não deve merecer crédito ?”
    Resposta de um católico sem instrução: “Sim. O que está fora da Bíblia tem que ser rejeitado.”
    O católico está pronto para questionar a fé católica e o magistério da Santa Igreja.
    Prossegue o protestante: “O senhor poderia me mostrar pela Bíblia onde está escrito que Maria é medianeira ?”
    Ou então: “O senhor poderia me mostrar na Bíblia onde está escrito que Maria foi assunta ao céu ?”
    O católico não instruído e que concordou com o protestante começa a se enrolar.

    A resposta católica à pergunta protestante deveria ser:

    Católico: “Creio sim na Bíblia. Creio tanto que sigo o magistério da Igreja, coluna e sustentáculo da verdade. E dessa forma, não questiono seus dogmas e confissões de fé. Não duvido, não divido e não careço de provas. Creio de todo o meu coração.”
    E o católico deveria perguntar ao protestante:
    “Onde está na sua Bíblia que própria Bíblia é a única fonte de revelação ?

    Infelizmente, grande parte dos católicos desconhece que o depósito integral da fé católica constitui-se de Sagradas Escrituras,Tradição Apostólica e o magistério da Igreja. Por isso o católico acaba por aceitar os argumentos protestantes.

    Não estamos obrigados a provar nada pela Bíblia. São os protestantes que estão obrigados. Foram eles que acataram as heresias de Lutero homem.

    O fato é que sempre que se parte de premissas falsas, chega-se a conclusões igualmente falsas.
    A Bíblia não se auto define como única fonte de revelação. Este é um questionamento que o protestante não faz a si mesmo.
    Quem lhe dá certeza de que a Bíblia é a única fonte de revelação se ela nada fala a respeito de si própria como tal ?
    Em verdade, o protestante copia a doutrina de Lutero. Lutero homem, portanto, falho.

    Outra pergunta que um católico poderia fazer ao protestante é:
    “Onde está na sua Bíblia a relação dos livros inspirados ?”
    Ora, se a Bíblia nada fala a respeito dos livros inspirados, só é possível ao protestante crer na Bíblia se vier aceitar a autoridade católica, já que foi a Santa Igreja que compilou e definiu todos os textos e livros.
    O que Lutero homem, adúltero e bêbado fez, foi retirar livros e distorcer tantos outros. Eis a Bíblia protestante !

    Como o protestante pode ter certeza se os livros que consulta são aqueles que foram inspirados se a Bíblia nada fala a respeito dos livros inspirados ?
    Para provar que sua Bíblia é a Bíblia correta, o protestante necessariamente terá que sair da Bíblia e crer em homens.
    Na prática, quando o protestante “provar” que a sua Bíblia é a Bíblia correta, estará em verdade dizendo que nem tudo está na Bíblia, pois a sua “veracidade” só poderá ser demonstrada fora da Bíblia que nada diz respeito sobre ser única fonte de revelação ou sobre os livros inspirados.
    O protestantismo é contraditório em si mesmo.

    Algumas sugestões práticas podem ajudar aos católicos a inibirem o proselitismo protestante.
    Vejamos alguns exemplos:

    Sabemos que a Bíblia não é contraditória em ponto algum e portanto, não seria possível que a mesma se auto definisse como única fonte de revelação e ao mesmo tempo instruísse os cristãos a seguirem o magistério da Igreja.
    Faça como eles. Peça o texto bíblico que define a Bíblia como única fonte de revelação.

    Certamente eles não encontrarão o texto e então o católico poderá dizer-lhe:
    “A Igreja e somente a Igreja é coluna e sustentáculo da verdade. Sem a Igreja a verdade não se sustenta.”

    Quando um protestante disser, por exemplo, que crianças não devem ser batizadas, pergunte onde está escrito na Bíblia que não se deve batizar crianças e que todos só devem ser batizados quando tiverem “entendimento” ou quando decidirem levantar o dedo e “aceitar Jesus” em algum templo protestante?

    Pergunte logo a seguir por que ele não recita o pai nosso que está na bíblia e que Jesus professou ? E peça sempre os textos bíblicos.

    Quando o protestante começar a citar dogmas católicos que ele julga que não encontram referências bíblicas, pergunte outra vez: “você crê na bíblia ? “

    Pergunte ainda: “você crê de fato que a bíblia é 100% verdadeira ? “ Ele responderá sim. Não terá outra saída.
    Então diga: “A Igreja é coluna e sustentáculo da verdade”.
    Conclua: “Eu sigo o magistério da Igreja.”
    E pergunte: “você faz o mesmo ou crê em sua interpretação pessoal ? “ E logo a seguir afirme. “A Bíblia ensina que interpretação alguma é de caráter individual.”

    Se ele disser que segue o magistério da Igreja, pergunte de que Igreja ele está falando se nenhuma das igrejas protestantes existiam quando da compilação que deu origem a Bíblia.
    O protestante poderá alegar que pertence a Igreja Invisível. Eles utilizam muito tal expressão para justificarem sua rebeldia contra a Santa Igreja.
    Aproveite e pergunte onde está na Bíblia que existe uma igreja invisível ? Peça o texto bíblico que fala claramente sobre a Igreja invisível.
    Nós é que podemos falar em Igreja invisível. A Igreja nos ensina que igreja é muito mais do que construções.

    Em algum momento ele dirá que a palavra de Deus manda examinar as escrituras. Eles confundem examinar com interpretar.
    Você pergunta mais uma vez: “O senhor já leu na bíblia que nenhuma interpretação é de caráter individual ? “
    Quando não possuem respostas eles fazem duas outras perguntas fora do contexto inicial. Fique atento. Só se deve passar para outro tema havendo a conclusão do tema anterior.
    Ele tentará dizer: “a bíblia manda ir a todo lugar e pregar.”
    Então lhe diga: “Ora, se a cada protestante pode ler a Bíblia e interpreta-la, ao invés de dízimos, por que não a impressão de Bíblias para todos ? “
    E acrescente também: “Se você é inspirado pelo Espírito Santo quando lê a Bíblia, basta você entregar uma Bíblia para o seu irmão que ainda não crê que o próprio Espírito Santo irá iluminá-lo e orienta-lo também.
    O protestante poderá então dizer que a fé vem pelo ouvir. Então diga que se a fé vem pelo ouvir, e de fato vem, é melhor escutar o que a Santa Igreja ensina do que confronta-la a partir de um leitura meramente privada.

    E se todos que são protestantes já estão salvos pelo Sola Fide (basta crer), por que eles continuam pregando para quem já está salvo a partir de cultos e reuniões que celebram?
    Pergunte, por exemplo, onde está escrito que Lutero é santo ?
    Ele dirá que Lutero não é santo ou que não existe amparo bíblico para considera-lo como tal. Então emende:
    “Lutero não é santo ? Você está me dizendo que ele é pecador como eu ou você ?”
    Eles gostam de jogar com palavras e estão prontos para usar tudo que você disser contra você mesmo. Ele terá que dizer que Lutero era pecador.
    Então pergunte por que ele segue a teoria de Lutero sobre o Sola Scritpura (Só a Bíblia) se sabe que Lutero era pecador ?
    Antes que ele responda, pergunte se ele já leu na bíblia: “maldito o homem que confia em outro homem” ?

    Se você fosse protestante debochado diria que se ele permanecer confiando em outro homem, no caso Lutero, estará afrontando a bíblia e andando fora da Palavra. Essas são expressões que eles gostam. Mas não use de escárnio. Isto não nos fica bem.
    Se você fosse protestante ainda poderia dizer-lhe para olhar somente para Jesus. Eles sempre dizem isso para nós.
    Por certo ele ficaria irritado e já não seguiria a doutrinação mental que recebeu. Mas nesta hipótese, usando deboche e presunção, que méritos teríamos ? Concentremo-nos nos ensinamentos da Santa Igreja e deixemos de lado os chavões comuns aos protestantes.

    Talvez nem seja necessário esse grande número de questionamentos que apontei para um católico se ver livre do assédio de um mau protestante.
    Talvez você não tenha experiência ou eloquência para sustentar um debate tão prolongado e tão cheio de nuances.
    Alguns doutrinadores protestantes dizem que eles não devem insistir com alguém resistente. Segundo um destes doutrinadores, se um não quer, tem 8 ou 9 que são frágeis e, portanto não se deve perder tempo com aqueles que oferecem resistência.
    Você só não pode esperar que ele facilmente concorde com você e se converta. O objetivo é dispersá-lo.
    A conversão de um protestante ao catolicismo raramente se dá por exercício intelectual.
    O protestante é filho de Lutero. E quando falamos filho e não seguidor, é porque até mesmo Lutero é seguido apenas parcialmente.
    Apenas quando lhes interessa, em especial no Sola Scriptura para afrontar o catolicismo.
    Portanto, sendo filhos de Lutero, são necessariamente auto suficientes e apologistas de suas próprias doutrinas particulares.
    Cada protestante é uma espécie de dono da Bíblia. Professor, mestre, teólogo, rei, sacerdote, profeta e sempre julgará conhecer mais de catolicismo do que o próprio católico. Se consideram superiores ao Papa e mesmo ao Magistério da Igreja de 2000 anos.
    Não aceitam nem mesmo os seus pares, razão pela qual fundam milhares de denominações.
    Se chamado atenção, o protestante muda de denominação, faz beicinho, nega fala, rompe relacionamentos, sai de casa, larga família, deixa a denominação e vai para outra, quando não funda a sua própria seita.
    Mesmo apontando alguns de seus pares como hereges, estes mesmos, quando o adversário é o catolicismo ou quando a questão é meramente estatística, rapidamente voltam a ser irmãos em Cristo e todos estão salvos e todos são bênçãos.
    É comum ouvir um crente dizendo: “Já somamos 20% da população brasileira.” É como se este crente conhecesse todos os demais crentes, todas as denominações e ao mesmo tempo fosse possível a todos pregarem o Cristo verdadeiro ao mesmo tempo que cada um prega um Cristo diferente do outro.

    O MAU protestante é um divisor por excelência. Por onde passa divide, questiona e jamais agrega. Só protesta e nada atesta. O protestante é ávido por falar e nunca está pronto para ouvir. Tudo quer ensinar e nada quer aprender. E como sabemos, quem sabe de tudo não carece de instrução.
    Nós católicos, por nada sabermos é que seguimos o magistério da Igreja. Por isso nenhum de nós tem seguidores, mas todos seguimos a voz do pastor.
    Eles costumam dizer que “tomaram posição diante de DEUS.” Eles gostam desse chavão, entre tantos que criaram. Judas também tomou posição diante de DEUS. O Resultado todos já conhecem.
    Estivemos muito tempo adormecidos e a nossa mansidão aprendida na Igreja foi tratada como covardia pelos nossos “juízes”. Está na hora de reagirmos com sabedoria, rejeitando sempre qualquer tipo de violência, difamação, ofensas e preconceitos, mas jamais esquecendo que devemos combater a heresia, até mesmo por amor ao próximo, e, sempre, sempre, sempre, defender a Santa Igreja e a honra e dignidade da Santíssima Virgem. Combatamos o bom combate e não recusemos a perseguição.

    Conclusão:

    Lembrem-se católicos que não estamos obrigados a responder ou provar nada pelo Sola Scriptura(Só a Bíblia).
    Nós seguimos o magistério da Igreja. Seguimos a Bíblia e a Tradição. É o protestante que está obrigado pelo princípio criado por Lutero homem.
    Nossa fé pode ser explicada pela tradição e pelo Magistério da Igreja.
    A fé protestante não pode ser explicada pela Bíblia.
    Este é o “pulo do gato” mencionado no título do texto.

    Imaginem que eu cobre de um ateu a guarda do domingo..
    Seria estúpido da minha parte, sabendo que ele não é cristão, fazer-lhe tal cobrança.
    Agora imaginem que eu faça esta mesma cobrança, sendo que eu mesmo não guardo o domingo.
    Pois é. O protestante que escolheu para si o critério antibíblico “Só a Bíblia”, estabelece para nós o mesmo critério. Critério para o qual não estamos obrigados.
    E ele mesmo, que criou para si e para os demais o critério “Só a Bíblia”, é o primeiro a ignorá-lo quando, entre muitas situações, não observa a proibição da interpretação privada e a consagração da igreja como coluna e sustentáculo da verdade.

    Poderíamos citar uma série de inobservâncias às disposições bíblicas cometidas pelos protestantes. Mas nem precisamos. Se um protestante não é igual ao outro em matéria de fé e doutrina, e, se todos utilizam a mesma Bíblia, é óbvio que, não havendo concordância, tem alguém andando fora da Bíblia
    Não estamos dizendo que católicos são melhores do que protestantes ou que podemos julgar a fé que reside no coração de cada ser humano.
    Estamos apenas defendendo a fé católica contra os ignorantes e os maus. Reconhecemos até mesmo que é direito de qualquer homem ou mulher permanecer no erro doutrinário se assim desejarem.
    Respeito o direito de qualquer homem ou mulher aderirem à fé, crença ou religião que mais lhe agradam.
    Paz em Cristo e Salve Maria.

    Autor: A. Silva/V. De Carvalho – Livre divulgação mencionando-se o autor.

  7. Muito bem gostei das instrucoes acima. Pois faco justamente isso. quando eles vem com esse negocio de provar na Biblia. Eu falo pra eles, que eles tem aceitar que nos Catolicos usamos a Biblia e a Igreja. Eu nao faco o jogo deles de citar passagens aqui e acola. Eu so dou a eles o que a Igreja ensina. citacoes dos Santos da Igreja. Eles se irritam comigo. Voce tem toda razao quando diz que eles nao escutam. nao escutam mesmo, e so blasfeman contra a Santa Igreja e Santa Mae de Deus. Eu tento ter tolerancia com eles e respondo com maior respeito. Isso e importante, nao use de insultos, mostre que e melhor que eles. Se nao tiver a resposta na hora, peca um tempo para estudar e der a resposa. Insultos deixe para eles, pois eles nao tendo argumentos, eles comecam a insultar voce. Se nao tiver bastante conhecimento sobre as armadilhas dos protestantes e o que eles acreditam e se nao tiver bastante conhecimento dos ensinamentos da Igreja, eu aconselho evitar debates ate voce esta seguro.

  8. Gente nos estamos vivendo numa era em que as pessoas sao incapazes de entender a Verdade. Quando se fala que existe Uma Verdade, eles te olham como se voce nao tivesse juizo. Nos Catolicos somos muito perseguidos. Muitos nem percebem. Satanas usa tudo contra nos. Nos somos tentado por todo tipo de religioes pagas e seitas hereticas, macumba, espiritsmo. tudo esta ao nosso redor para a tentacao do Catolico. E como muitos tem caido.

  9. Discursos de ignorantes assim fazia os fariseus que mataram Jesus, não precisamos provar nada a ninguém, se formos ofendidos nos o matamos, matamos esses hereges, matamos esses céticos, matamos o homem da ciência pois vai contra o ensinamento da igreja, nada sabemos mas podemos confiar nos padres, vamos matar e daqui 1000 anos pedimos perdão, lá será outra geração, terão justificativas para tais crimes.

  10. Pingback: Chico Xavier é semifinalista de concurso que vai eleger “o maior brasileiro de todos os tempos” « Ecclesia Una

  11. Pingback: Doutrina Católica » Chico Xavier é semifinalista de concurso que vai eleger “o maior brasileiro de todos os tempos”

  12. Nada a ver… Eu sou um dos que “migraram da religião católica para evangélica. Em 7 meses eu aprendi muuuito mais do que eu aprendi em 19 anos de catolicismo, já fui da infância missionária, coroinha, participei de grupos de jovens, mas nunca senti tanta paz e tanto temor a Deus, como eu tenho agora que sou evangélico. Oro a Deus para que converta toda minha família que é toda católica e vivem uma vida que suuuper desagrada a Deus assim como eu vivia. Sei que toodos somos pecadores, mas eu peco muuito menos do que eu pecava quando eu era católico. O pecado leva a morte. E a igreja católica também!

    • Felipe, na verade você nunca foi católico. O verdadeiro católico, aquele que conhece a doutrina da Igreja Católica, aquele que conhece a história da Igreja C\atólica jamais muda para qualqauer outra denominação, que começa errando pelo cânon bíblico. Qual era o cânon do Antigo Testamento usado por Jesus e pelos apóstolos?Não podia ser o cânon protestante,k proque este nem existia no tempo de Jesus. Então só podia ser o cânon católico, a septuaginta. Lutero era professor de Sagrada Escritura, e nemj sabia o cânon da Bíblia. Estude a história da Igftreeja, e você vai se surpreender com as bobaghens e as tolices do protestantismo.

    • Você não aprendeu muito mais. Você passou a escutar os falsos mestres. Ninguém te impediu de estudar o catolicismo. Mas é muito mais prático ficar sentando e ouvindo os falsos profetas do que estudar. Você agora lê a Bíblia que não lia antes e julga poder determinar quem é herege ou não. Julga poder determinar que vai para o ceu e quem vai para o inferno. Você tornou-se juíz de tudo e de todos. Mestre de si mesmo, julgando-se sábio aos seus próprios olhos. Pois eu fiz o caminho inverso. Como você, deixei a sã doutrina e por 20 anos fui seduzido pelas seitas. Cometi o grave erro de ser católico e nunca ter lido o catecismo da Igreja Católica. Nunca procurei estudar a doutrina da igreja. Logo, tornei-me presa fácil para os lobos devoradores. Mas como Jesus Cristo não mente e é o mesmo ontem, hoje e eternamente, suas palavras continuam vivas. E assim, reino dividido contra si mesmo não pode ficar de pé. Quando notei que não há no protestantismo unidade de qualquer ordem, especialmente em questões de fé e doutrina e onde todos se chamam de hereges uns aos outros e todos se dizem certos ao mesmo tempo, percebi que havia algo errado. Meu senhor não tem duas opiniões distintas para um mesmo tema. Meu senhor não é um senhor do tanto faz. Então comecei a estudar o catolicismo e percebi que combatia uma caricatura da Igreja Católica forjada pelos falsos profetas. Faça o mesmo. Estude o catolicismo para combate-lo com maior eficácia. Recuse-se a ser um papagaio repetindo chavões, jargões, versículos soltos da Bíblia e falsos ensinamentos que te são passados nos cultos de lavagem cerebral que você frequenta. Ora meu caro, a nossa religião não é a religião do livro, mas da palavra viva e encarnada.

  13. AS SEITAS QUE MILITAM CONTRA O CATOLICISMO
    Alguns grupos que se auto intitulam como protestantes demonstram comportamentos típicos de seitas e entre seus objetivos destaca-se o ódio e preconceito contra o catolicismo que, sendo sua principal vítima é constantemente atacado com calúnias e fatos não registrados pela história.
    Na verdade ninguém sabe se de fato são protestantes porquanto suas doutrinas misturam uma série de crenças e práticas de outras religiões e a grande maioria ignora o contexto da reforma protestante do século XVI. Uns atacam os outros de hereges e todos ao mesmo tempo se dizem salvos, eleitos e inspirados pelo Espírito Santo.
    Espero que fique claro que a grande parte dos protestantes, especialmente os históricos, não assumem tais comportamentos e um bom número deles nutre sentimentos de carinho e respeito em relação a doutrina católica e ao povo católico.
    Estas seitas desenvolvem um doutrinamento que torna o fiel, normalmente chamado de crente, como uma espécie de soldado pronto para repetir frases feitas e espalhar toda a sorte de inverdades contra o catolicismo.
    O contexto a seguir destina-se especialmente aos católicos, mas serviria também para os protestantes que buscam com sinceridade a verdade e a observâncias ao preceitos divinos e que de certa forma também são vítimas ou confundidos com estas seitas agressivas.
    COMO SE DÁ O DOUTRINAMENTO ?
    O crente é retirado do contexto social. Nada de família, amigos ou lazer. Sem futebol, praia, cinema ou reuniões sociais com pessoas não protestantes. Quanto mais trabalhos na denominação melhor. Tudo que é de fora é considerado obra do diabo ou do “mundo”.
    Ele recebe o nome obreiro e perde o contato com o mundo e já não pode confrontar idéias ou conceitos.
    Ele é levado a acreditar que está fazendo a Obra de DEUS. Mas não está. Está fazendo tão e somente a obra do doutrinador de sua seita.
    Ele se fecha para o mundo e passa a viver apenas o que a denominação lhe ensina e seu isolamento é amparado por textos bíblicos pinçados do contexto, tais como: “A Bíblia ensina que não podemos nos tornar cúmplices das obras más”, “Não podemos nos por a mesa com os escarnecedores”.
    Ora, Jesus Cristo comia com os pecadores e por isto causava escândalos. É ele mesmo quem disse: “Acaso não são os doentes que precisam de médico ?” A caridade católica não faz acepção de pessoas. O católico deve estar pronto para ir a qualquer lugar e prestar assistência a quem precisa. E ao contrário destes sectários, não perguntamos o famoso “você aceita Jesus”, mas acolhemos quem está em dificuldades, sem indagarmos de que religião é o nosso próximo.
    Alguns líderes mais audaciosos costumam dizer que assistência aos mais necessitados é problema dos governos. E outros, sem quaisquer escrúpulos, chegam a dizer que a Bíblia não dá autorização a ninguém para suprir materialmente os mais desfavorecidos. Cuidado com os lobos !
    Todos conhecemos o conselho de Jesus: “A verdadeira religião é visitar órfãos e viúvas.” Trazendo para os atuais dias, podemos dizer que a verdadeira religião é visitar os mais carentes e necessitados. Prestar-lhes assistência. O próprio senhor nos disse: “Tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber…”
    Contudo, o crente que não pode assistir materialmente os mais necessitados, deve adquirir livros, DVDs e CDs de seus líderes ou de outros que são produzidos pelas gráficas e gravadoras dos próprios doutrinadores.
    Outro dia um destes pregadores da prosperidade condenou quem faz dívidas para adquirir bens domésticos. Disse ele que “cristão” não faz dívida. Logo a seguir ofereceu seus produtos em parcelas no cartão de crédito.
    O doutrinamento funciona ainda com as repetições de certos chavões, os quais proferidos e escutados por milhares de vezes tornam-se “verdades” absolutas para os frequentadores destas denominações.
    Vários deles são conhecidos: “Nós somos o povo de DEUS….”, “Porque os mariólatras…”, “A idolatria da Igreja Católica…..”, “Não devemos nos submeter aos homens como fazem os papistas, mas apenas a Jesus……”, “O catolicismo ensina que se deve adorar Maria e os santos”, “Não aceito julgamento de homens. É DEUS quem vai me julgar.”
    Este último jargão esconde um enorme orgulho disfarçado de pretensa humildade e que na verdade permite ao crente esquivar-se da confissão dos pecados ao sacerdote. Ora, se os apóstolos receberam poder para reter ou perdoar pecados, é lógico que para tal é preciso que alguém lhes confesse os pecados.
    O fato é que depois de escutar tais expressões por tantas vezes, o mau protestante acredita que apenas ele e seus pares pertencem ao povo de DEUS. Ora, Jesus foi muito claro. “…sua mãe e seus irmãos são todos aqueles que lhe dão ouvidos e praticam…” Ou seja, pertencem a sua família aqueles que lhe escutam e agem. E nós, católicos em grande parte, escutamos e agimos. E o que será daqueles que não deram de comer ou beber a Jesus Cristo ?
    Creio que a maioria dos protestantes age com sinceridade, e ainda imagino que um bom número de denominações não se enquadra nesta vertente. Também creio que grande parte dos pregadores, talvez a maioria, não se encaixa no contexto que propus.
    Por questão de justiça, me vejo obrigado a dizer que se nem todo aquele que concorda conosco é bom, também é verdade que nem todos os que discordam de nós são maus. O fato de alguém aderir ao protestantismo ou discordar da doutrina católica não lhe torna alguém que mereça nossa repugnância. Discordar ou concordar são direitos legítimos.
    Retomando: O doutrinamento de um membro de seita ainda se dá da seguinte maneira:
    Quando vai iniciar uma campanha financeira para arrecadar fundos, o doutrinador antecipa em “ato profético”, por exemplo, que será vítima de calúnias, difamações, intrigas e fofocas na internet ou na mídia. Naturalmente, quando o crente se depara com as críticas da sociedade em relação ao seu líder já está convencido de que aquilo é obra do diabo. Diz o doutrinador que o diabo está incomodado porque eles estão fazendo a “obra de DEUS.” E desta forma, o mesmo doutrinador conclama seus seguidores aos mais espúrios desafios para “afrontar” o diabo.
    Para finalizar e com o objetivo de alertar os católicos, destaco aqui as principais características destas seitas:
    1)RELIGIÃO – Quando acuados, os doutrinadores que passam a vida dizendo que religião não serve para nada, gritam que estão sendo vítimas de perseguição religiosa. Isto mesmo. Perseguição religiosa para alguém que não crê em religião;
    2)MARIA – João Batista estremeceu de alegria quando ouviu a saudação de Maria. Estes maus protestantes se enfurecem. Isabel ficou cheia do Espírito Santo quando ouviu a vóz de Maria. O mau protestante chega a espumar de raiva. O anjo do Senhor disse a Maria que ela era plena de graça. O mau protestante diz que Maria foi barriga de aluguel. Alguns sectários promovem ataques às imagens de Maria e dos santos. Não raras vezes nos deparamos com o noticiário que dá conta de ataques às Igrejas Católicas ou mesmo templos de outras religiões;
    3)PROFECIAS – Estas seitas costumam fazer profecias que não se cumprem e seus “profetas” permanecem gozando de prestígio e respeito nas suas denominações e afins. É o caso daqueles que disseram ser o Papa João Paulo II a besta do apocalipse e o caso daqueles que disseram que Jesus retornaria no ano de 2007;
    4)FIM DO MUNDO – Constantemente estas seitas e seus membros enfatizam que o fim do mundo está próximo e assim conseguem que seus fiéis fiquem indiferentes as questões sociais para mergulharem com profundidade nos projetos de “salvação” das denominações e que normalmente envolvem doações financeiras;
    5)ESTATÍSTICAS E MÍDIA – Embora acusem uns aos outros de hereges, quando o assunto é estatística estas seitas dão pouca importância ao Cristo que se prega em outras denominações. Para fins de pressão e propaganda, costumam repetir que o “Povo de DEUS” já representa determinado percentual da população brasileira ou que tantas milhões de pessoas no Brasil já estão salvas porquanto “aceitaram” Jesus em templo protestante. É como se as pessoas fossem salvas pelo rótulo e não pelo cristianismo que praticam;
    6)TÍTULOS – Os líderes destas seitas costumam atribuir a si próprios títulos pomposos como apóstolos, patriarcas, missionários ou bispos, entre outros. Não estamos dizendo que todos que desfilam com tais títulos são membros ou donos de seitas, mas todos donos ou membros de seitas utilizam-se destes títulos para exercerem controle, liderança e submissão de seus súditos.
    7)OBRAS – Estas seitas costumam desprezar as obras, especialmente aquelas que visam assistir aos mais desfavorecidos. Lógico. Se alguém supre a necessidade alheia com seus recursos, evidentemente que estes mesmos recursos faltarão aos projetos dos doutrinadores.
    Para desistimular o crente a assistir quem quer que seja, estes líderes espalham acusações mentirosas contra o catolicismo, especialmente a máxima de que se ensina na Igreja Católica que Jesus não é necessário para a salvação, mas apenas a realização de boas obras;
    8)EXPRESSÕES – Estas seitas e seus sectários tem expressões que lhes são próprias. Em debates contra católicos e mesmo entre afins, expressões como “biblicamente correto”, “De acordo com a palavra” e “Porque a palavra diz…”, são mais do que conhecidas e repetidas aos quatro ventos.
    Contra os católicos as expressões mais repetidas são: “Católicos leiam a Bíblia” ou “Falta conhecimento bíblico ao povo católico” ;
    9)JARGÕES – Estes protestantes costumam decorar capítulos e versículos da Bíblia e cita-los fora de contexto. Isto não só impressiona os mais débeis, bem como parece ser uma sentença terminativa para quem lhes dá atenção.
    Os textos mais citados são: “Tudo posso naquele que me fortalece”, “Em todas as coisas somos mais do que vencedores”, “DEUS vai me restituir tudo que me foi tomado”, “Só me calo diante de DEUS”, “DEUS É FIÉL”, e, talvez o principal que é dirigido aos católicos: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”
    10)ESCÂNDALOS – Uma das principais características das seitas é utilizar dois pesos e duas medidas em seus julgamentos . Quando há um escândalo ou uma notícia sobre homens católicos, toda a sorte de acusações é lançada sobre a Santa Igreja. Expressões como pedófilos, assassinos, antro, romanistas, sistema podre, idólatras, mariólatras, entre tantas outras, são repetidas exaustivamente.
    Registra-se o fato de que estatísticamente existem mais casos de pedofilia entre pastores protestantes do que no clero católico. Nem por isto iremos dizer que o protestantismo é uma religião que favorece a pedofilia. Pelo contrário. Por certo o protestantismo combate a pedofilia. Não temos dúvida disto. Os pedófilos são doentes e religião para estes por certo é apenas um meio de acessar crianças indefesas. Os pedófilos devem ser tratados com o rigor da lei, sejam católicos ou não.
    Entretanto, quando um homem evangélico se vê envolvido em qualquer confusão, os julgamentos proferidos por seus membros e sectários encontram outros tipos de confissões:
    “Ai de quem toca no ungido do Senhor” ,“Deixa que ele está fazendo a obra de DEUS”, “Não toca no escolhido por DEUS”, “A emissora de TV tal tem ódio dos evangélicos”, “O diabo está com raiva porque estamos fazendo a obra de DEUS.”
    11)PROTESTANTISMO HISTÓRICO – Estas seitas pouco sabem ou nada sabem de Lutero, Calvino e cia. Estas seitas se dizem protestante, mas desconhecem todo o contexto da reforma. Elas se caracterizam por misturar várias doutrinas. Usam parte de Lutero, em especial o “Só a Bíblia “ e o “Só a fé” , partes da doutrina de Calvino, ignorando este reformador quanto a necessidade de igreja para a salvação e quanto a virgindade perpétua de Maria, e, agregam ainda doutrinas orientais, tais como a confissão positiva ou a teoria da determinação, elementos das religiões africanas desenvolvidos em seus cultos evangélicos de cura interior, libertação e descarrego, elementos do judaísmo com a ênfase no velho testamento e algumas denominações com a prática do evangelho judaizante, e ainda, as doutrinas humanas de seus falsos mestres e/ou as doutrinas pessoais de cada crente que julga poder interpretar a Bíblia pessoalmente com a assistência do Espírito Santo, muito embora a mesma Bíblia o proíba de faze-lo(Pedro);
    12)CONSTANTINO – Uma das características destas seitas é a ênfase de que teria sido Constantino fundador da Igreja Católica. Nota-se que os protestantes históricos não fazem tal afirmação e por isto mesmo se consideram católicos reformados.
    O que não consegue explicar o mau protestante é como ele abraça as teses de Lutero que seria tão e somente um sacerdote da igreja de Constantino. Este mau protestante toma a igreja Católica por criação humana e sua pretensa reforma por criação divina. É o ápice da contradição.
    Como é possível a estas seitas abraçarem o Sola Scriptura e o Sola Fide de Lutero que seria membro da Igreja de Constantino ?
    Pior ainda fazem os que alegam pertencer a Igreja primitiva ou que dizem que antes de Lutero já havia outros grupos. Estes desconhecem que Lutero desaprovava tais grupos e não se dão conta não ser possível a Igreja Primitiva gritar “Só a Bíblia” em uma época que não existia Bíblia.
    13)PASSADO CATÓLICO – Chama a atenção de qualquer pessoa de bom senso que os crimes praticados por homens católicos parecem alcançar efeitos perpétuos no tempo e no espaço. Uma situação ocorrida 500 anos atrás parece aproveitar os homens católicos de hoje.
    Os inimigos da igreja continuam espumando de raiva e literalmente babando quando falam da inquisição ou de outras situações.
    Estas seitas e seus membros engrossam o coro constituído por outros inimigos da Igreja Católica e fazem parecer que os crimes atribuídos a um determinado sacerdote séculos atrás, são delitos praticados pelo clero atual e por todos fiéis católicos espalhados mundo afora.
    É como se todos aqueles criminosos que se diziam católicos ainda estivessem por aqui ou como se todos os católicos atuais, incluindo o clero, apoiassem os crimes por eles cometidos e de alguma forma todos nós devêssemos pagar pelos pecados e delitos alheios.
    Os crimes praticados por outras religiões na atualidade não recebem tanta indignação quanto os crimes praticados por católicos cinco séculos atrás.
    Os crimes praticados no passado pelos sistemas totalitários e outros praticados por sistemas de governos na atualidade parecem não ter a menor importância quando se sabe que nos anos de 1418 ou 1523 um determinado sacerdote católico cometeu adultério ou praticou algum ato de corrupção.
    Se nos dias atuais um ditador qualquer ordenar a execução de um ativista de direitos humanos ou um adversário político isto parece não afetar a atual sociedade. Repetidas vezes assistimos a indiferença até mesmo dos governantes atuais e pseudo religiosos com as perseguições políticas ou religiosas em países de regimes totalitários.
    Os próprios crimes dos principais reformadores e mesmo as citações de Lutero contra Cristo são ignoradas por estes maus protestantes.
    No caso da pedofilia, percebe-se nitidamente pessoas quase que torcendo por novas ocorrências tão e somente para poderem atacar o catolicismo. Estes “indignados” pouco se importam com os sofrimentos das crianças ou de suas famílias.
    Estes sectários que gostam de esconder os erros atuais de seus líderes dizendo: “Olha para Jesus”, quando fazem referência aos sacerdotes católicos costumam não agir com a mesma complacência.
    É curioso que os crimes atuais praticados por membros ou dirigentes vivos destas seitas são rapidamente minimizados ou mesmo esquecidos.
    Registra-se o fato de que a Santa Igreja é inerrante. Nunca erra. Nunca ensina errado. Nunca comete crimes de qualquer espécie. Quem comete crimes são os homens que podem ou não ser ou se dizerem ser católicos.
    Diferente dos maus protestantes que varrem suas sujeiras para debaixo do tapete, dizemos em bom som: “O perdão não substitui a justiça.”
    Em minha modesta opinião, a pedofilia deve ser combatida como uma praga e uma doença nojenta, sendo irrelevante a religião do criminoso e deve causar indignação em toda a sociedade e não apenas quando os autores deste crime abominável forem sacerdotes católicos.
    14)DÍZIMOS E OFERTAS – Estas seitas dão ênfase às contribuições financeiras e desafios que envolvem sempre campanhas de arrecadações. Como seus líderes estão sempre dando destaque a proximidade do fim do mundo, os fiéis são convocados para adesão aos projetos que teriam por objetivo “pregar” o palavra de DEUS mundo afora. Os doutrinadores costumam definir o engajamento dos fiéis nos projetos das seitas como uma espécie de Ministério para o qual cada um é chamado de forma particular a participar da “obra de DEUS”.
    15)SALVAÇÃO – Utilizando expressões que são repetidas rotineiramente e que acabam sendo cristalizadas nas mentes dos fiéis como verdades absolutas, os líderes costumam fazer referências aos membros das próprias seitas que lideram como “POVO DE DEUS”, “POVO ELEITO”, “RAÇA ELEITA”, entre outras expressões.
    16)CRÍTICAS AO CATOLICISMO – As seitas não se entendem. Isto é fato. Uns acusam outros de hereges e qualquer divergência em uma das denominações já sugere o início de uma nova seita. Mesmo nas críticas ao catolicismo as seitas divergem entre si e opinam de formas diferentes dependendo do momento ou conjuntura. Por vezes atacam a Igreja Católica como arcaica, dogmática e ultrapassada. Em outras situações, lhe acusam de ter deturpado o evangelho e introduzido profissões de fé e costumes não praticados nos tempos remotos do cristianismo. Uma hora a Igreja Católica é taxada de moderna pela suposta introdução de novidades e outra hora é chamada de arcaica pela manutenção de credos e hábitos que não se modificam.
    17)PATRULHAMENTO – Os sectários controlam uns aos outros. Um líquido amarelado no copo pode sugerir consumo de álcool e merecer a repreensão do líder ou de outro membro da seita. Constantemente estes sectários referem-se aos católicos como aqueles que “bebem, fumam e dançam.” Assumem a postura de que o desapego a estas coisas indica certeza de salvação.
    18)APELIDOS – Os santos católicos são constantemente ignorados até mesmo como exemplo de bons cristãos. Pelo contrário, recebem destes sectários apelidos de toda ordem. São Sebastião é tião, São Jorge é jorginho e a Santíssima Virgem é chamada de deusa do catolicismo ou deusa pagã. Estes sectários que gostam de dar nomes bíblicos aos filhos jamais usam Pedro para os filhos homens ou Maria para as filhas mulheres. Já vi quem dissesse que um determinado pregador da prosperidade fez mais pelo ser humano do que Madre Teresa de Calcutá.
    19)POLÊMICAS – As seitas polemizam sobre “rezar” ou “orar”. Polemizam sobre “adorar” ou “venerar”. Vivem basicamente do anti catolicismo. Se temos papa eles contestam. Se temos santos eles condenam. Se há celibato eles gritam. Se temos a Eucaristia eles dizem tratar-se de uma mera “bolachinha”. Se recitamos o Pai Nosso eles protestam. Se não batemos palmas somos frios. E se sairmos em procissão somos idólatras. O essencial é a guerra contra o catolicismo. Não importa o que façamos pois sempre seremos os maus.
    20)IGREJA – Os membros destas seitas repetem constantemente: “Placa de Igreja não salva ninguém.” Menosprezam a Igreja, muito embora a Bíblia indique justamente o contrário. Em Timóteo é possível percebermos que a Igreja é coluna e sustentáculo da verdade. Ou seja, sem a Igreja a verdade não se sustenta. Estas seitas ignoram até mesmo os reformadores, entre os quais Calvino que dizia ser a Igreja essencial a salvação do homem. Diga-se de passagem, Calvino só não soube dizer que igreja seria esta. Talvez não pudesse dizer. Talvez não quisesse. E estes protestantes que condenam a Igreja, tudo que mais sabem fazer é fundar mais e mais “igrejas” a cada dia.
    21)INTERPRETAÇÕES – Estas seitas costumam usar a interpretação literal para cobrar doutrinas católicas. Seriam, por exemplo, os casos do purgatório e da Assunção de Maria. Quando confrontadas, procuram esquivar-se da mesma interpretação literal que antes lhes servia. Seriam os casos da edificação da Igreja sobre Pedro e da Bem Aventurança de Maria, por exemplo, onde o que está escrito repentinamente deixa ser o que está escrito.
    Se verifica o mesmo em relação as tradições que foram recomendadas por São Paulo e a orientação explícita de que a fé sem obras é morta no evangelho de Tiago.
    A mesma interpretação literal antes usada para interrogar os católicos, deixa de ser aplicada ao Pai Nosso e também na Eucaristia onde Jesus diz que a sua carne é verdadeiramente comida e seu sangue verdadeiramente bebida. Para estes protestantes o verdadeiramente de Jesus é o “relativamente” de seus líderes.
    Em determinadas ocasiões usam Lutero e dele fazem um “enviado” e um grande “reformador”. Indagados por que não permaneceram com Lutero e por que permanecem reformando o que DEUS já teria “reformado”, esquivam-se apontando defeitos no “escolhido” por DEUS. Pelo jeito DEUS enganou-se ou será que Lutero não foi levantado por DEUS ?
    Acatam Lutero no Sola Scriptura e no Sola Fide, mas o ignoram na devoção a Virgem Maria e nos sacramentos, por exemplo.
    O mesmo fazem em relação a Calvino e a outros reformadores. E quando necessário, utilizam-se do grego, aramaico ou hebraico para justificarem suas práticas ou para condenarem o catolicismo e mesmo os seus pares.
    Além disto, promovem a constante substituição da Bíblia por literaturas diversas escritas por líderes carismáticos. É grande a profusão de livros produzidos pelos líderes destas seitas e DVDs ou CDs com “pregações” e “estudos”.
    E depois de toda esta salada doutrinária, dizem ainda a Bíblia é de fácil compreensão. Dizem seus líderes que qualquer um pode ler a Bíblia.
    É como se todos os sectários e membros destas seitas fossem conhecedores de grego, aramaico, hebraico, Lutero, Calvino, Wesley e ainda lhes fosse possível de quebra aplicar uma regra por eles criadas e por eles seguidas de quando usar ou descartar a interpretação literal.
    Contudo, quaisquer que sejam os critérios adotados para cada momento, nada é provado pela Bíblia que juram defender.
    Em resumo, estas seitas usam quaisquer critérios para justificarem seus costumes e hábitos desprezando qualquer ordenamento lógico ou histórico. Na direção oposta, não necessariamente usarão os mesmos critérios para classificar seus opositores como hereges.
    Vale sempre o que cada seita, líder ou sectário quiser que seja aceito como doutrina.
    22)ASSÉDIO – Um aspecto muito importante é o assédio das seitas aos católicos. É como se não fossemos cristãos. Mesmo que digamos a um deles bem alto que Jesus Cristo é o Senhor, ainda assim estes sectários irão tentar nos convencer de que devemos aderir ao protestantismo e “aceitar” Jesus. O católico deve ficar atento com o assédio sutil destas seitas que normalmente se dá da seguinte maneira:
    Protestante: “Posso falar um minutinho com o senhor ?”
    Católico: “Sim”
    Protestante: “O Senhor crê em DEUS ?”
    Católico: “Sim”
    Protestante: “O senhor crê na Bíblia ?”
    Católico: “Sim”
    Protestante: “O senhor concorda que a Bíblia é a verdade ?” Nesse ponto o católico será doutrinado e muitas vezes convencido.

    A resposta do católico a pergunta do protestante naturalmente é sim. Lógico que o católico crê na Bíblia.

    Então o protestante diz, por exemplo: “O senhor diz crer na bíblia. Portanto, o senhor concorda que tudo aquilo que está fora da Bíblia não deve merecer crédito ?”

    Resposta de um católico sem instrução: “Sim. O que está fora da Bíblia tem que ser rejeitado.” O católico está pronto para questionar a fé católica e o magistério da Santa Igreja.

    Prossegue o protestante: “O senhor poderia me mostrar pela Bíblia onde está escrito que Maria é medianeira ?” Ou então: “O senhor poderia me mostrar na Bíblia onde está escrito que Maria foi assunta ao céu ?”

    O católico não instruído e que concordou com o protestante começa a se enrolar. A resposta católica a pergunta protestante deveria ser:

    Católico: “Creio sim na Bíblia. Creio tanto que sigo o magistério da Igreja, coluna e sustentáculo da verdade. E dessa forma, não questiono seus dogmas e confissões de fé. Não duvido, não divido e não careço de provas. Creio de todo o meu coração.”

    E o católico deveria perguntar ao protestante:

    “Onde está na sua Bíblia que própria Bíblia é a única fonte de revelação ? Onde está na sua Bíblia a definição do Canon ? Onde está na sua Bíblia a definição dos livros inspirados ? Onde está na sua Bíblia a definição de Lutero como grande reformador ? Onde está na sua Bíblia que devemos praticar o “Sola Scriptura” ? Onde está na sua Bíblia a definição da Bíblia protestante como a Bíblia correta ? Onde está na sua Bíblia a definição de João Ferreira de Almeida como tradutor insuspeito ? Onde está na sua Bíblia que o senhor é infalível ou mereça ser ouvido ?”

    Infelizmente, grande parte dos católicos desconhece que o depósito integral da fé católica constitui-se de Sagradas Escrituras,Tradição Apostólica e o magistério da Igreja. Por isso alguns católicos acabam aceitando os argumentos infantis e dúbios destes maus protestantes.

    Não estamos obrigados a provar nada pela Bíblia. São os protestantes que estão obrigados. Foram eles que acataram Lutero homem. Nós católicos cremos na Igreja, coluna e sustentáculo da verdade(Timóteo).

    Creio ter contribuído para que os católicos fiquem atentos quanto aos discursos destas seitas que militam contra a Igreja Católica.
    Autor: A.Silva com a colaboração de V.De Carvalho – Livre divulgação mencionando-se o autor

  14. aos evangélicos:

    Estude o catolicismo para combate-lo com maior eficácia. Recuse-se a ser um papagaio repetindo chavões, jargões, versículos soltos da Bíblia e falsos ensinamentos que te são passados nos cultos de lavagem cerebral que você frequenta. Ora meu caro, a nossa religião não é a religião do livro, mas da palavra viva e encarnada.

  15. A igreja catolica e a unica igreja que levara vc ao ceu, nao brinque com ela no lugar que vc pisa é santo!!!

    • E vai diminuir cada vez mais o número de católicos em nosso país. Catequistas mal preparados, pais que não estão aí para a Ifggreja, divisõ interna da igrejaetc., etc., e tal. Igreja Católica deve rever, urgentemente, a estratégia para reverter esse quadro. Uma vez caído nas garras dos evangélicos, de lá não sai mais, pela lavagem cerebral a que são submetidos. E essa lavagem cerebral vem do tempo de Reforma. Tenho uma amiga luterana que está absolutamente dcerta de que a Igreja Luterana é a verdadeira, frundada por Cristo. E olha que é uma pessoa extremamente culta, só que jamais se deu ao trabalho de analisar concretamente os fatos. No evangelho de hoje, que Lucas narra a visita de Nossa Senhora a iSABEL, ESTÁ LÁ DE FORMA CLARA E CRISTALINA iSABELinspirada pelo ESPÍRITO SANTO c hamando a Antissima Virgem de Mãe do meu Senhor. Chamei a atnção, inclusive no Facebook, para que as pessoas lessem atentamente o que Lucas escreveu. Só que, uma vez eita a lavagem cerebral, a própria bíblia não adianta d nada. Todos nós temos um pouco de culpa, mas principalmente os pais e os catequistqas. Só que ser evangélico não demonstra absolutamente nada, porque são tantas as den9minaçoes mque elas próprias sbrigam entre si, num proselitismo violento, que beira o escandalo. Não vejo, no entanto, as autoridades da CNBB nem um pouco preocupadas.

Os comentários estão desativados.