Sacrosanctum Concilium. Parte Sete. Culto público e integral da Igreja e exercício da função sacerdotal de Cristo.


Outros artigos sobre o CVII:

50 anos é tempo suficiente?

O porque dos nomes dos documentos.

O Concílio Vaticano II e a ruptura.

Sacrosanctum Concilium. Parte um.

Sacrosanctum Concilium. Parte dois.

Sacrosanctum Concilium. Parte três. Um guarda fiel da tradição.

Sacrosanctum Concilium. Parte quatro. A plenitude do culto divino.

Sacrosanctum Concilium. Parte Cinco. A presença de Cristo na Santa Missa.

Sacrosanctum Concilium, Parte Seis. Santa Missa: culto agradável a Deus e o caráter esponsal de Cristo com Sua Igreja.

Sacrosanctum Concilium. Parte Sete. Culto público e integral da Igreja e exercício da função sacerdotal de Cristo.

Sacrosanctum Concilium. Parte Oito. A Liturgia terrena, antecipação da Liturgia celeste.

Sacrosanctum Concilium. Parte Nove. A promessa divina realizada na Santa Missa.

É incrível a riqueza do documento conciliar Sacrosanctum Concillium. Cada frase, cada parágrafo, pode ser desenvolvido em textos de profundíssima reflexão e verdades incontestáveis da fé que só a Igreja pode proclamar.

O número 7 do documento é relativamente grande sendo composto não por um parágrafo, mas por quatro. O terceiro e o quarto merecem reflexão separada justamente por, mesmo dando continuidade ao que foi dito nos dois anteriores, aprofundarem em um tema obscuro para a maioria dos católicos e negada pelo protestantismo. Aqui falaremos exclusivamente do terceiro parágrafo.

Não podemos afirmar com absoluta certeza se a obscuridade vem devido à negação dos protestantes, uma vez que estamos em uma sociedade protestantizada, ou se o protestantismo veio devido a obscuridade já havida entre os católicos. Não vamos discutir isso porque seria o mesmo que discutir quem veio primeiro o ovo ou a galinha. Na verdade não interessa. Qualquer que seja a origem do problema, a questão é que a falta de formação e entendimento da fé que professa nos leva a protestar contra a nossa própria fé. Antes essa fé fosse somente uma fé particular e inerente a cada ser, não, não é. Trata-se da negação e protesto contra a única fé que traz a verdade consigo, não porque pretende ser a dona da verdade e queira dominar o mundo. Essas acusações sempre vem sem um argumento digno. É a única que traz a verdade consigo porque é a única que o próprio Deus fundou e deixou sob o comando de Pedro Apóstolo (Mt. 16, 18 ss) além de deixar a necessidade de sucessão.

Pois bem, voltando aos dois últimos parágrafos número 7 do documento Sacrosanctum Concillium, temos sua redação nos seguintes termos:

“(…) Com razão se considera a Liturgia como o exercício da função sacerdotal de Cristo. Nela, os sinais sensíveis significam e, cada um à sua maneira, realizam a santificação dos homens; nela, o Corpo Místico de Jesus Cristo – cabeça e membros – presta a Deus o culto público integral.”

O parágrafo começa com uma afirmação que pouco se conhece entre os católicos: a missa é o exercício da função sacerdotal de Cristo.

Quando se vê um pastor protestante, qualquer que seja a denominação, presidindo seu culto, ou um rabino ensinando na mesquita, ou um espírita fazendo seus ensinamento ou dando passes em um centro ou terreiro, nenhum deles ousa proclamar-ser representante de Deus ou mais que isso, o próprio Deus.

Que os céus sacudam agora na visão protestante, mas é o que o sacerdote é durante a celebração da missa: o próprio Cristo. Não só ele, mas ele principalmente. Assim, por obviedade que Cristo exerce Sua função sacerdotal, já que Ele mesmo fala na missa, seja nas leituras, seja na consagração e em outros momentos. In persona Christi é o nome que se dá em latim para o fato de o sacerdote falar na missa como que o próprio Deus (Cristo).

Caso não fosse assim, como poderia um mero homem, cheio de pecados, insatisfações, erros e imperfeições fazer o milagre programado de transformar o pão em Cristo? Obviamente que aquelas mãos são consagradas, aquele ser, o sacerdote, não é como nós que não seguimos esse caminho, contudo é Cristo quem consagra através daquele ser, assim como é Cristo que fala através daquele que faz a leitura na missa.

No mesmo parágrafo o documento conciliar continua:

“(…) Nela (na liturgia), os sinais sensíveis significam e, cada um à sua maneira, realizam a santificação dos homens;(…)”

Essa verdade continua e sempre continuará sendo absoluta devido o simples fato de ser culto a Deus estabelecido pelo próprio Deus e manutenido pela Igreja.

O mais importante é sempre entender que a Santa Missa é culto agradável a Deus, embora seja Seu próprio sacrifício o que ocorre. Não um outro sacrifício, mas aquele mesmo ocorrido dois milênios atrás. Esse sacrifício vale mais que qualquer sacrifício que possamos fazer, mesmo os martírios já que “no martírio é o ser humano que dá a vida por Deus e na missa é Deus quem dá a vida pela humanidade” (Santo Tomás de Aquino). Esse sacrifício é, também e por esse motivo, o meio de santificação dos homens. A humanidade se beneficia desse sacrifício para se santificar, através de Deus, sempre assim deve ser, e chegar ao próprio Deus, fazendo parte de Seu projeto salvífico.

Importante perceber que faremos parte desse projeto, dessa felicidade, alegria e justiça plenas. Não veremos ou estaremos presentes, mas faremos parte como membros.

É por isso que o documento completa o parágrafo dizendo:

“(…)nela (na liturgia), o Corpo Místico de Jesus Cristo – cabeça e membros – presta a Deus o culto público integral.”

O Corpo Místico de Cristo justamente é essa Igreja que Ele fundou e deixou aqui na Terra com seus membros distribuídos conforme sua função, necessidade e importância (1Cor 12,4-31).

Outro ponto que passa batido por todos nesse pequeno excerto é o de que a Santa Missa é “culto público integral” prestado a Deus pela Igreja. Ora. Parece óbvio que se diga isso, mas não é.

Inicialmente a grande maioria, a maioria esmagadora das pessoas, católicas ou não, não tem consciência plena de que a Santa Missa é culto a Deus. Ou se tem agem como se não tivessem. Digo isso porque se a Santa Missa é culto a Deus, então a quem devemos agradar nesse culto? Agora me respondam a quem boa parte das pessoas pretende agradar quando tocam músicas dançantes, inventam missas show e fazem teatro nesse momento? Não é a Deus que pretendem agradar, embora tentem mascarar sua errada atitude com esse argumento. O que tentam fazer é agradar o público da Santa Missa. Literalmente “jogam para a torcida”, ou seja, fazem o que for preciso para que aquele espetáculo (a Santa Missa) seja agradável aos seus espectadores (assembleia). Assim deixamos de ter a Santa Missa como culto agradável a Deus para ser culto agradável aos homens.

Outro ponto: a Igreja presta culto a Deus. Esse culto é publico e todos os católicos são chamados, e em certos dias do ano convocados, a participares desse culto. Se é a Igreja que celebra esse culto, e isso é óbvio uma vez que o sacerdote que celebra é, ou deveria ser, sacerdote fidelíssimo à Santa (não pecadora) Igreja, como é possível que sacerdotes e equipes de liturgia queiram mexer, modificar, inventar, criar, diversificar, teatralizar e fazer da missa um verdadeiro carnaval? Isso no mínimo é usurpação. A Santa Missa é culto da Igreja, portanto só ela, a Igreja, poderá mexer no ritual desse culto e mesmo assim não pode mexer em todas as partes uma vez que várias delas fora instituída pelo próprio Cristo.

Por último, temos o ponto de que se trata de culto público e integral. Já entendemos que é culto da Igreja, agora concluímos que é público e integral. O “público” já pode ser entendido no parágrafo acima. Apesar de ser culto da Igreja, é público porque todos os católicos são chamados e/ou convocados para a Santa Missa (Mt 18,20). A palavra “integral” é que deve ser explicada mais a fundo. A missa não é culto que servirá para completar a semana ou para irmos nos encontrar socialmente com os amigos. Muito menos é ocasião de encerramento de grupo de oração ou de encontro. A Santa Missa é um todo, sem partições e o mais importante de tudo o que há. Assim já dizia Santo Agostinho e tantos outros Santos. A Santa Missa não pode ser partida ou repartida, mutilada ou dilatada. A Santa Missa é o que é sem palpites ou intervenções alheias. A Santa Missa é culto integral por que abre e fecha todo um ciclo ritual.