A mídia e o silêncio constrangedor de tantas palavras


10297849_616153745142889_1986326065368472072_n
A princípio o leitor poderia interrogar-me dizendo que o texto parece paradoxal, entretanto não é uma afirmação falsa. Essa é a plena e triste realidade que circunda os meios de comunicação, sobretudo os que deveriam ser reflexo de uma clarividência mundial e desenrolarem a dramática situação de muitos povos.

“Se alguém quer seguirMerenuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me” (Mt 16,24).

Seguir a Jesus Cristo desde os primórdios tornou-se algo exigente e que requer uma grande disponibilidade de coração. Hoje, não menos que ontem, nosso coração conturba-se com as dificuldades para a vivência da fé em vários países do mundo, sobretudo no Médio Oriente. Temos visto o número de cristãos que por não negarem a sua fé e não cederem às pressões inimigas, são julgados, torturados e até mortos.

Recentemente fomos acometidos pela triste notícia que cristãos haviam sido crucificados por terroristas sírios. O que acontece é que os muçulmanos extremistas do grupo jihadista são cruéis perseguidores e leais imagens do Inimigo primeiro de Deus, precipitado do alto dos céus, num mundo tomado pela tribulação daqueles que sequer podem viver sua fé. Vislumbra-se o cenário da Igreja primitiva, da perseguição dos judeus, de Nero e dos demais imperadores romanos. O Demônio, feliz com tudo isso, conta e canta as suas aparentes vitórias, sem saber que novamente será essa peste infernal esmagada pela Cruz de Cristo.

Em Maalula, na Síria, dois jovens cristãos foram crucificados por terem rejeitado a shahada, isto é, a profissão de fé mulçumana. Esta denuncia foi feita por uma freira à Rádio Vaticano na Sexta-feira Santa. Além deste ato ela denunciou que os mesmos jihadistas “pegaram as cabeças das vítimas e jogaram futebol com elas”, e levaram “os bebês das mulheres e os penduraram em árvores com os seus cordões umbilicais” (com informações da Rádio Vaticano).

Revolta-me tal notícia. Quanta mediocridade e interpretação egoísta e irracional da fé! Mas não é de hoje que esta raiz floresce. Desde a época do Maomé, que afirmou: “Mostra-me também o que trouxe de novo Maomé, e encontrarás apenas coisas más e desumanas tais como a sua norma de propagar, através da espada, a fé que pregava” (Controvérsia VII 2c: Khoury, pp. 142-143; Förstel, vol. I, VII Dialog 1.5, pp. 240-241).

10308588_616153738476223_8981283912224119876_n

Com esta afirmação nós poderíamos considerar obsoleta a ideia de uma liberdade religiosa para os muçulmanos. Maomé certamente por meio deste ensinamento de uma conversão forçosa e que culminaria nas tragédias revoltosas àqueles que não aderissem a tal mentalidade, tende a querer impor o islamismo como forma única de travar uma realidade com o divino.

Contudo, ainda que nos revoltem essas atitudes, chama-nos atenção o silêncio conturbador que a mídia faz com relação a crimes tão nefastos e que na maioria das vezes são negados ou incompreendidos aos olhos de muitos, sendo até mesmo desconhecido por grande parte do povo que fica subjugado ao mercado da manipulação de informações e do interesse econômico ou político que isso viria causar.

Essa atitude revestida por uma covardia e um interesse tanto medíocre como a atitude dos muçulmanos propositalmente, assim cremos, oculta a verdade da perseguição cristã que não menos que outrora tornou-se uma forma de forçar uma conversão ou conter o crescimento da fé, já como afirmei, propagado pelos filhos das trevas.

Poderíamos indagar-nos o que leva a mídia a silenciar-se de forma tão grotesca com tais gestos que saltam aos olhos da humanidade, não somente como uma ferida aos direitos humanos mas como uma ferida ao Coração do próprio Cristo? Lembro-me das palavras do Senhor a Saulo: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9, 4). Perseguindo a Igreja perseguia também a Cristo, porque Cristo e a Sua Esposa são uma só coisa. Ele é a Cabeça, nós os membros. Contudo, quem não se interessa pelos direitos do homem, pela base da sua dignidade, pela direito a vida, tampouco irá mover-se para defender a sua fé e a sua liberdade de crer.

Os muçulmanos não entendem que não basta crer, mas é preciso saber crer. Os cristãos o entendem, e para que o cristianismo seja vivenciado na sua totalidade é necessário assumi-lo de forma destemida e concreta, mesmo que isso leve ao derramamento de sangue.

A omissão da ONU e de demais países, bem como a supressão deste assunto pela mídia, é mais uma vez prova de que esses valores apregoados ao vento são um misto de interesse e poder, descaracterizando a essencialidade da fé e da vida. Não se viu um veículo de televisão (que não fosse cristão, ao menos não eu!) denunciar o acontecido, mas vê-se a torto e a direito promoverem campanhas fúteis, propagarem a mentalidade de “direitos” gays, divórcio, aborto, pensamentos comunistas, ideologias contrárias à fé.

Fala-se muito, mas não se fala nada. Os casos são diversos, mas não difundidos. Recordamos as palavras do Servo de Deus Papa Pio XII, que na Encíclica Miranda Prorsus, procurou evidenciar que estes meios não devem ser caracterizados pela difusão do mal, mas estar a disposição do bem: “Servir a verdade significa não só apartar-se da falsidade e do engano, mas evitar também aquelas atitudes tendenciosas e parciais que poderiam favorecer no público conceitos errôneos da vida e do comportamento humano” (8 de setembro de 1957).

2 pensamentos sobre “A mídia e o silêncio constrangedor de tantas palavras

  1. O silêncio da mídia diante de tão absurdo genocídio só dá a certeza de que a mídia e seus donos (sionistas) são anticristãos, e odeiam a Deus, são satanistas, por tabela.

    Estou assistindo a CNN. De hora em hora, flashes sobre o caso do sequestro de 200 meninas pelo Boko Haram na NIgéria. Todo mundo sabe que foram elas sequestradas por serem cristãs, e destinadas ao estupro coletivo e à morte. E, em momento algum é dito que elas foram sequestradas em razão da Fé, em momento algum. Só relatam o sequestro, mas sem mencionar que é por perseguição religiosa.

    Satã já pisa o mundo, o Anticristo judeu (o Anti-Messias) prepara sua vinda. Mas, segundo o Talmud, é necessário que mais e mais “goyim” continuem a ser “oferecidos a Deus” para que o Messias venha.

    Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus vivo, tenha piedade de nós, pecadores! 😦

  2. ISLAMISMO: RELIGIÃO SATANISTA – DO ODIO A DEUS E AO PRÓXIMO!
    Antes de mais nada, o islamismo é a religião de ódio, a mesma de Satã, pois Maomé instruiu os muçulmanos a guerrearem contra outras religiões e a trazê-los submissos ao Islam. Dentro das primeiras décadas após sua morte, os árabes invadiram e conquistaram terras cristãs, judias, budistas e zoroastras, e, com apenas 25 anos da morte de Maomé, os exércitos muçulmanos já haviam capturado terras e as pessoas de 28 países fora da Arábia Saudita.
    Assim, os muçulmanos continuaram sua Jihad contra outras religiões por 1400 anos, detida apenas pela habilidade dos não-muçulmanos em se defenderem, e até hoje, não se passa uma só semana sem que algum fundamentalista Islâmico tente matar os preferidos cristãos, judeus, hindus ou budistas em nome de Allah, e essas outras religiões – fora deles que se estraçalham uns aos outros – não estão em guerra umas contra as outras.
    Aliás, Alah é o nome da deusa da lua, religião fundada por Maomé em 622 DC, sendo uma entidade pagã, nada tendo a ver com nosso Deus Senhor de Israel como afirmam seus falsos teólogos, e sua reminiscência está no topo das mesquitas, ambulancias, bandeiras etc., de países islâmicos sob forma de quarto crescente.
    O Islam é a única religião que precisa manter seus adeptos sob ameaça de morte se deixarem a religião, seguindo o exemplo de Maomé, além de ensinarem que os não-muçulmanos são inferiores a um ser humano de verdade, podendo matarem sem cometer assassinato, e que um muçulmano nunca pode ser morto por matar um não-muçulmano.
    O Alcorão jamais, em lugar algum, fala do amor de Allah pelos não-muçulmanos, mas fala da crueldade de Allah e seu ódio contra os não-muçulmanos por mais de 500 vezes!

    Fabiano

Os comentários estão desativados.