A demagogia esquerdista: um deus que fala pela barriga


Começo pedindo perdão aos leitores pela falta de tempo para escrever no blog, mas tenho me consumido totalmente com o TCC. Quem já fez faculdade sabe o que é passar por isso, mas enfim… Não queria tanto entrar em questões políticas, mas convenhamos que este é o momento em que isso é mais que necessário.

O lugar do cérebro sempre foi na cabeça… Mas nem todos pensam assim! Para muitos, o cérebro está nada mais nada menos que no estômago. Não se admirem do que falo, mas São Paulo já tivera advertido àqueles cidadãos de Filipos cujo deus era a barriga (Fl 3,19) e que não se diferem muito da realidade atual. Também hoje há os que fazem da barriga o centro dos seus pensamentos e da vida política do país. Vivem depositando sua confiança no poder. É tão presente isso nesta eleição que chega a tomar proporções avassaladoras comprometendo o bom desempenho das campanhas. Aliás, comprometendo a dos outros para salvar suas imundícies.

Mas, poderíeis pensar-me como rigoroso em minhas colocações, entretanto, é óbvio que com a política de “sporcizia” petista não podemos oscilar. Há um dito popular em que dizem ter pegado o “peixe pela boca”. O PT, contudo, pega eleitores pelo estômago. Sim, caro leitor, eles atingem estrategicamente o ponto crucial do povo brasileiro – ou ao menos de sua maioria. Isto porque não são pelas ideias que eles desejam cativar, senão pelo temor de uma queda na economia, um “full time” do Bolsa Família e um aumento da inflação, temor em vão se visto do cenário econômico que o Brasil já contemplou e contempla no crepúsculo deste governo.

Dilma ontem afirmou no debate da Band que o governo petista mantinha 56 milhões com o Bolsa Família. Ora, é inverdade afirmar, então, que o PT erradicou a pobreza no Brasil e conseguiu elevar o nível da classe média, afinal, receber uma determinada quantia por mês para manutenção da família não é garantia de emprego e de estabilidade nenhuma. E se num acaso viesse o Bolsa família a ter um fim, seriam 56 milhões na pobreza novamente? Trabalho mal feito, caminho mal pensado. Não basta dar Bolsa família se não existem condições dignas para o trabalho. Isso é tão mentiroso quanto afirmar que a construção do Porto de Cuba seria uma ação benéfica para as empresas brasileiras. Se há realmente um benefício vocês não acham que pelo menos poderia ser explanado à população brasileira, que tem o direito de saber onde o seu dinheiro está sendo investido?

É muito fácil e cômodo justificar que o candidato adversário dará um fim ao Bolsa Família, ou que a inflação irá retornar ao cenário da economia brasileira. A propósito: poderá voltar aquilo que nunca foi? Quem afirmou que o Brasil tem controle sobre a inflação? E onde está o imposto de valor dobrado da gasolina, dos alimentos, da energia e do que se consome diariamente no Brasil? O Brasil é um dos países que mais paga altas taxas de impostos e ainda nos vem falar de um controle da inflação? O impostômetro da Associação Comercial de São Paulo falta espaço para tanto número, ou melhor, para tanto dinheiro arrancado do bolso do povo brasileiro em condições tão miseráveis de vida que vocês oferecem e chamam de “classe média”. O País vive a decadência da “classe baixa”, baixíssima por sinal. Não apenas em quesitos econômicos, infra estruturais e de assistência ao povo, mas a decadência maior é a moral e ética, que o mesmo Partido dos Trabalhadores faz quando incentiva nos livros escolares a prática da masturbação, da união de pessoas do mesmo sexo e da prática de relações sexuais descontroladas.

Avilta-se a população brasileira, desde a mais tenra idade, como consequência dessa expressão insensível e oportunista que não pensa no bem comum. Vocês fazem-me recordar a expressão profética de Isaias: “Esperávamos a paz, mas não chegou nada de bom” (Jr 14,19). O anseio do povo de doze anos atrás transformou-se na ojeriza daqueles que foram ludibriados pelas intenções de um Brasil “para todos”. Essas intenções – mecanismos esquerdistas – não passam de uma já apresentável ditadura do proletariado.

Mas pensar com a barriga já é – segundo dissera o próprio Lula – uma realidade do povo brasileiro. E é precisamente armado com este argumento que ele apropria-se do Bolsa família (criação do governo FHC) para utilizar como favorecimento no acréscimo de votos que é a expressão máxima da enganação do povo brasileiro. Quanta indecência, não é mesmo, caro leitor? Indecência esta que não pode ser compactuada pelo povo brasileiro, tampouco pelos católicos. Aprendamos a votar por decência, não por conveniência. Voto por conveniência é voto vendido, vendido por um Bolsa família, por um “minha casa, minha vida”.

Cuidado com o deus de barro que o PT anda apregoando! Aliás, o salmista já dizia: “Os ídolos pagãos são prata e ouro, obra de mãos humanas” (Sl 135, 15). Não pode um católico levantar-se em favor de um partido que pensa o aborto como moralmente correto; que pensa num País sem Deus; que acena positivamente à união ilegítima de pessoas do mesmo sexo e que usa a mentira como sua principal forma de defesa.

Não outorguemos a ninguém um direito que é nosso: defender a nossa fé, pensar em uma sociedade melhor para os vindouros, destruir essa ditadura comunista que sorrateiramente espalha raízes no Brasil. Quem não é ético não pode falar de ética. Deixemos de lado a leviandade e partamos aos fatos. Ou: Dilma falar em ética é como Leonardo Boff falando de Tradição.

2 pensamentos sobre “A demagogia esquerdista: um deus que fala pela barriga

  1. Enfim Dilma ADMITIU SORRINDO que houve desvios na Petrobrás!
    Até hoje, apesar de ser presidente, “não sabia de nada, de nada sabia, nunca ouviu falar “e contando titica pro povo brasileiro, fazendo de panaca a todos, menos a muitos que jamais acreditam nos diabólicos comunistas, ela sendo defensora e amiga dos corta-cabeças dos cristãos – de igual forma pede os votos dos daqui para lhe dar poder para oportunamente os amordaçar – sempre saindo fora de acusações, mas a delação premiada a entregou…
    V votaria em quem o odeia e quer jogá-lo na armadilha de uma ditadura comunista?
    Fora Ebola-PT!

  2. Até que enfim um artigo digno da Igreja Católica, porque o que tem de padre e gente da pastora disso e daquilo, pregando o petismo e o comunismo dentro da Igreja, tem vezes que a missa vira comício, o altar é sofre o sacrilégio de políticos/as que nunca pões os pés na Igreja e padres famosos utilizam o altar para deixar estes aí se utilizarem com leituras e tal, tacitamente indicando o(a) candidata (o). A Igreja está empesteada de padres, bispos e pastorais vermelhos dentro dela, por outro lado, quem resiste é perseguido. A Igreja permite que regionalmente estes vermelhos a maculem e afastem suas ovelhas. Eu sou uma ovelha sem Igreja, porque sermão ou postura vermelhas, por cima de mim não!

Os comentários estão desativados.