Maria: Portadora de Jesus, a verdadeira Paz


“Que Deus nos dê a sua graça e a sua bênção, e sua face resplandeça sobre nós”. Assim aclamamos com as palavras do Salmo 66 à primeira leitura que contém a narrativa da antiga bênção sacerdotal sobre o povo da aliança. Celebramos neste primeiro dia do ano a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus. É bom iniciarmos um ano louvando a Deus pelos benefícios que realizou em Maria, e ao mesmo tempo louvá-Lo pelo mistério do Natal que completa hoje o ciclo das suas oitavas. Com este desejo é que expresso minhas saudações de um cordial feliz e santo ano novo aos nossos leitores e amigos.

Ao celebrarmos a Festa da Theotokos, queremos render graças a Deus porque em Maria nós aprendemos a contemplar a divindade e a humildade d’Aquele que veio ao nosso encontro e falou ao nosso coração, nos convidando a uma abertura sincera e comprometedora, deixando-nos moldar pela sua graça que perpassa o tempo e nos alcança desde a sua plenitude (cf. Gl 4,4). No limiar de um novo ano queremos celebrar o Dia Mundial da Paz. Já na primeira leitura, tirada do livro dos Números, podemos destacar a tripla menção do nome de Deus evocada na bênção que os sacerdotes pronunciavam sobre o povo israelita nas grandes festas religiosas. Esta vem como promessa de vigor, felicidade e dom de Deus: “Que o Senhor… te conceda a paz!” (6, 26); e o que pedimos hoje é isto: Que o Senhor conceda a cada um de vós, às vossas famílias, aos lugares frequentemente associados a conflitos armados, e ao mundo inteiro, a paz.

No decorrer da história, de fato, entre os trágicos acontecimentos, sentimos o peso das guerras que não foram superadas e continuam a marcar a vida da sociedade. O homem contemporâneo, não menos que os de outrora, vê seu país e a sua própria realidade sendo dilacerada pelos conflitos que se predispõem a um domínio passageiro e que finda no termo da vida desses que agora suspiram ameaças de morte.

Iniciamos este ano pondo-nos no caminho da paz e da reta consciência de dignidade, com a qual entendemos que nenhum homem pode violar o direito da liberdade de outrem, como nos recorda o Papa Francisco na Mensagem para o Dia Mundial da Paz deste ano: “Já não escravos, mas irmãos”. Em Cristo, Deus nos irmanou, nos fez dignos de sermos chamados filhos seus, como nos recorda São Paulo na segunda leitura (cf. Gl 4,6-7).

Mas há muitos que colaboram para a ausência da verdadeira paz quando se omitem a cumprir fielmente o dever que lhes fora confiado e a verdade que não defendem. Penso – como nos recorda ainda o Papa Francisco – naqueles que “para enriquecer, estão dispostos a tudo” (Mens. Dia Mundial da Paz 2015, nº 4) e se apoiam nos esquemas de corrupção, fechando-se ao clamor dos que estão desfavorecidos, quer pelo sistema, quer pelas condições sociais ou religiosas.  Que o Senhor conceda a estes que tem a sua dignidade deformada e a imagem de filhos de Deus manchada a graça de colocarem a mão na consciência para que, conclamados ao perdão, abram-se à misericórdia divina e sejam solícitos para com os irmãos que são, como eles, imagem e semelhança de Deus.

Hoje nós rezamos a fim de que a paz, anunciada pelo anjo aos pastores na noite santa, firme-se em lugar da violência: «Super terram pax in hominibus bonae voluntatis» (Lc 2, 14). Que o Senhor aparte de nós a violência e a injustiça: Cede lugar para que reine a alegria, o amor e a esperança. Abrace os homens secos pela falta de amor. Quem não ama, esse sim, está desprevenido, torna-se vulnerável aos seus instintos; usa da junção de corpo e alma para tramar o mal e passa a ser apenas um ser instintivo que maquina ardilosas e pérfidas ideologias. Se o amor pode tornar o mau, bom; o infeliz, feliz; o individualista, fraterno; o velho, novo; a falta de amor pode gerar homens findados em si, velhos interiormente, infelizes por nada conseguirem a seu modo. Abramo-nos ao amor! Deixemo-nos cativar pelo brilho que vence as lágrimas da tristeza. Que Vós, Rei da Paz, faça da morte, vida; do medo, coragem; da descrença, esperança.

Na carta aos Gálatas, que hoje escutamos, Paulo nos apresenta a adoção filial como um resumo da obra salvífica de Cristo na humanidade. Como parte resguardada nesta ação de salvação encontra-se a figura da maternidade divina de Maria, a Theotokos. Escreve ele: “Mas, ao chegar a plenitude dos tempos Deus enviou o Seu Filho, nascido de mulher, sujeito à Lei” (4, 4). Maria é a Mulher por excelência! N’Ela Deus operou o início do seu mistério redentor permitindo que concebesse o Verbo encarnando. Oito dias depois do Natal, portanto, essa festa encontra-se justamente colocada. De fato, antes do Concílio Vaticano II, a Maternidade Divina tinha lugar no dia 11 de outubro e a 1 de janeiro era celebrada a memória da Circuncisão do Senhor. Essa mudança, entretanto, não evidencia uma atenção menor ao Cristo. Pelo contrário, diríamos que antes de contemplar-se a figura de Maria, Cristo é imprescindivelmente o primeiro contemplado, uma vez que é por meio d’Ele que todas as coisas acontecem e se voltam.

O sentido do termo “plenitude” não só faz o cumprimento das profecias messiânicas como também assume o momento central da humanidade, um sentido absoluto de Deus que dá a sua Palavra – Verbo – definitivamente na história humana. Como recorda-nos o Santo Padre Bento XVI: “na perspectiva cristã, todo o tempo é habitado por Deus, não há futuro que não seja em direção a Cristo e não existe plenitude fora de Cristo” (Homilia, 1 de janeiro de 2011).

.

O Evangelho nos faz alusão do silêncio e da discrição que marcam a feminilidade da figura da Mãe: “Maria, conservava todas estas coisas, ponderando-as no seu coração” (Lc 2, 19). Conservar os mistérios de Deus é virtude e atitude de sabedoria diante de tantas propostas adversas ao querer divino. A palavrar olhar em italiano se traduz como “guardare”. Em português poderíamos dizer que essa assume um sentido ulterior: Não basta olharmos o Menino deitado na manjedoura; não basta olharmos Jesus se não o guardamos em nosso coração e não fazemos d’Ele o nosso guia e a centelha de esperança num mundo marcado pelo desprezo e pela falta de fé. Podemos observar na história que todas as buscas que foram obstinadamente direcionadas ao próprio homem, e não a Cristo, deram lugar aos conflitos armados e à escravidão.

Para conservar os mistérios de Deus devemos manter o silêncio, a sobriedade e o respeito. Numa sociedade de tantos barulhos, São Francisco de Sales já advertira: “O bem não faz barulho, e o barulho não faz bem”. Que a singeleza de Maria seja também a nossa singeleza no trato com as coisas de Deus. O verdadeiro bem não é aquele que é explicitado ou aquele que fazemos questão de divulgar, mas sim aquele que oculta-se sob a humildade de Deus. Cristo desce numa noite de silêncio, segundo a liturgia belamente nos faz cantar: “Quando um profundo silêncio envolvia todas as coisas e a noite estava no meio do seu curso, a vossa Palavra omnipotente, Senhor, desceu do seu trono real” (Ant. ao Magn. 26 de Dezembro).

Na escola de Maria queremos pedir que o Senhor nos conceda a graça do discernimento e da escuta atenta à Palavra. “Podemos ter a certeza: se não nos cansarmos de procurar o seu rosto, se não cedermos à tentação do desencorajamento e da dúvida, se mesmo entre as muitas dificuldades que encontramos permanecermos sempre ancorados a Ele, experimentaremos o poder do seu amor e da sua misericórdia. O frágil Menino que a Virgem mostra hoje ao mundo, nos torne artífices de paz, testemunhas d’Ele, Príncipe da paz” (Papa Bento XVI, Homilia, 1 de janeiro de 2008).

2 pensamentos sobre “Maria: Portadora de Jesus, a verdadeira Paz

  1. A SS Virgem Maria é aquela que, sentada à direita do Rei dos séculos, resplandece como Rainha e intercede por nós como Mãe, pois a figura da rainha-mãe permanece em muitas culturas populares como protótipo de solenidade, de senhoria, de cordialidade, de benevolência.
    O culto e a própria iconografia da Igreja, inclusive dos cismáticos ortodoxos representam espontaneamente Maria na postura de uma rainha, revestida de beleza e de glória, muitas vezes sentada e coroada de estrelas, feita, ela mesma, trono do filho que tem nos braços, o Menino Jesus.
    A liturgia contempla esse ícone de Maria, mãe e rainha, mostrando a ligação de Maria serva a Senhor Deus como participação na realeza de Cristo, como escolhida toda especial. Trata-se de uma realeza que é serviço, colaboração com Cristo na salvação da humanidade. A obra de Cristo exigiu a sua morte no Calvário e junto dele estava sua mãe.
    A realeza de Cristo custou-lhe a Paixão e a Morte, enquanto a de Maria custou-lhe as dores que a Paixão e a Morte de Jesus lhe causaram e, se não fosse o seu sim, estaríamos entregues às trevas até hoje!
    Sob o vosso patrocínio sempre estaremos, Rainha da Paz, que nos trouxe o Rei da Paz, Jesus!!

  2. Contemplar a ligação de Maria serva do Senhor Deus com participação na realeza de Cristo é o obvio, no entanto, trata-se de uma realeza que é serviço – difere-se totalmente dos reinados desse mundo que são de dominação e opressão – e colaboração com Cristo na salvação da humanidade.
    A obra de redenção de Cristo exigiu sua morte no Calvário e, junto dele, estava a sua mãe lacrimosa, submissa à vontade de Deus; a realeza de Cristo custou-lhe a Paixão e a Morte, e a Maria custou-lhe as dores que a Paixão e a Morte de Jesus lhe causaram de extremo sofrimento.
    O povo cristão sempre invocou a Maria como Rainha da Paz por se tratar de uma conotação com o oráculo de Isaías que fala do “príncipe da paz”, Jesus Cristo nossa paz, afirma S Paulo em Ef 2, 14.
    Maria é mãe do príncipe da paz e consequentemente co-portadora dessa mesma paz; não dessa que o mundo oferece, duvidosa, temporária, mas ela nos oferece a perdurável por toda eternidade junto a si e Jesus no Céu.

Os comentários estão desativados.