Satanás e o PLC 122/06: Ele quer assinar!

Estamos às portas da votação do Projeto de Lei da Câmara 122/2006 que “criminaliza a homofobia”. Este projeto, repudiado pela maioria do povo brasileiro, é um retrocesso na constitucionalização do País, a insistência na votação e aprovação do mesmo, constitui um grave desrespeito ao povo, que já o repudiara de forma veemente. Outrora fora o Brasil edificado com a ajuda da Igreja esta ainda tem grande colaboração na vida do povo, desde o primeiro instante quando os portugueses aqui chegaram e celebraram a primeira Missa. O Brasil tem como berço a Cruz de Nosso Senhor, é um país eminentemente católico e cristão, e isto ninguém poderá erradicar, nem mesmo as forças de Satanás que tentam investir de forma desordenada contra ele. Este projeto, apoiado pela senadora Marta Suplicy, visa atacar a liberdade de expressão pela qual tanto se lutou.

Agora fico a pensar: do que adiantaram as lutas contra a ditadura militar se hoje esta senhora, junto com todos os seus comparsas, tentam mais uma vez destruir esta liberdade? Onde está a democracia e onde estão os tão propagados direitos se querem proibir de que se denuncie que a prática homossexual é pecado? É pecado e pecado mesmo. Pronto! Quem é a senhora Marta e seus companheiros para quererem proibir isso se as Sagradas Escrituras mesmo ordenam que não nos omitamos diante da verdade? Foi por essa verdade que os apóstolos e mártires entregaram sua vida e vocês querem silenciar tudo o que foi edificado em dois mil anos? São Paulo dirá: “prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir” (II Tm 4, 2).

A Santa Mãe Igreja durante dois mil e onze anos vem anunciando o Evangelho de Jesus Cristo a todos os povos. Acolhe a todos e não renega a nenhum dos filhos que a ela vierem necessitando de sua ajuda. Também os homossexuais, filhos de Deus por graça em Cristo Jesus, como nós também o somos, são chamados a viverem em plena comunhão com a Igreja desde que vivam o que é pedido pelas Sagras Escrituras e pelo Sagrado Magistério. Vejamos o que diz o Catecismo da Igreja Católica:

§2358 Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.

§2359 As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.

Assim, ninguém é excluído do convite ao Reino de Deus, no entanto cabe a cada um, com o livro arbítrio que tem, escolher por ele ou pela perdição. A Igreja ama os homossexuais e não os trata como animais irracionais ou produtos de consumo, como fazem as mídias e o sistema político, cuja única finalidade é satisfação sexual e realização neste mundo. A Igreja vai além e olha para cada um deles como filhos e filhas de Deus, onde também há um sinal da manifestação da beleza divina e onde pode ser exercida uma vida de santidade. Quem tenta justificar os modismos de hoje como uma vontade de liberdade – ou deveria dizer de libertinagem – deve ouvir atentamente os conselhos de São Paulo e temer o dia do Santo Juízo: “Acaso não sabeis que os injustos não hão de possuir o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus” (I Cor 6, 9-10).

Temei, caríssimos, esta advertência de São Paulo! Temam o fogo do inferno! Não irei enganar-vos como fazem tantos, mas faço aquilo que a Igreja nunca pode parar de fazer, como exorta-nos o Bem-aventurado Papa Pio IX, pregar sobre o inferno. Nossa Senhora em sua aparição em Fátima pede aos pastorinhos que anunciem ao mundo a necessidade de se pregar contra o inferno. Temamos todos!

Por isso a Igreja convida-nos a sempre trilharmos os caminhos da Palavra de Deus. Abandonem a vida de promiscuidade e vejam que o maior tesouro que vos é reservado é a eterna convivência com Deus.  Revestidos com “o capacete da salvação e a espada do Espírito, isto é, a palavra de Deus” (Ef. 6, 17), possamos lutar por uma sociedade justa, onde a liberdade de expressão seja dada a todos e onde todos possam ter espaço para tecer suas críticas ou expressar suas convicções religiosas, culturais e sociais. Convidar os homossexuais para a vivência da castidade não pode porque é descriminação, mas criticar a Igreja e ofender os santos católicos com tão grande desrespeito como vimos na Parada Gay deste ano é denominado liberdade. Ora, que liberdade é esta que reprime a manifestação religiosa e o anúncio da verdade? Liberdade, deveriam saber os políticos, é também o direito que o povo tem de votar e escolher candidatos que possam lutar pelo que o povo quer e não pelo que é forçado a querer para priorizar grupos particulares ou pessoas.

Rezemos para que no dia de Nossa Senhora da Conceição a Virgem Santíssima esmague a cabeça de Satanás, que quer imperar neste País mas que nunca conseguirá, e possam ecoar as palavras do Bem-aventurado Apóstolo: “Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa (II Tes. 2, 15).

Esqueci de recordar isso: Dois homossexuais nunca poderão ser um casal e nem a Lei poderá mudar isso! Se vocês não estão satisfeitos perguntem a Deus o por quê.

Agradeço a Deus por termos cristãos de grande influência, ainda que não sejam católicos, que se manifestem contra isso publicamente, por exemplo o Pastor Silas Malafaia e os políticos evangélicos que tem feito grandes denúncias, mas também agradeço aos líderes católicos renomados (que podem serem contados a dedo) Padres e Bispos, que têm lutado contra esta absurdidade, como Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, Padre Paulo Ricardo e outros que não conheço. Abaixo segue o vídeo do Padre Paulo na sua aula de ontem sobre o PLC 122.

Satanás quer destruir a Igreja com projetos do inferno, a Igreja calará Satanás com a Cruz de Cristo!

A decadência dos valores em nossos dias

Estando em férias tomei conhecimento da absurdidade cometida por grupos homossexuais, do LGBT, na Parada Gay, na semana passada em São Paulo. Tudo isso para mim não passa de um reflexo que a muito já era premeditado na sociedade, uma realidade que logo apareceria com mais veemência e ganharia mais força. E sabemos que ela ganhou muita força, sobretudo em meio a muitos políticos que, na teoria, defendem os direitos dos cidadãos, mas na prática não passam de interesseiros e ávidos para defenderem seus próprios interesses e lucrarem o suficiente para morrerem “montados na grana”.

Mas realmente chocou-me a cena apresentada pelo Fantástico. Um verdadeiro absurdo! Chega a ser indescritível a falta de respeito com que os homossexuais, que tanto lutam por respeito e dignidade, atacaram a Igreja e os santos. Não deveriam eles reconhecer que a Igreja é a instituição que mais os ama? A Igreja não os vê como outros grupos os veem. Os outros só os veem como animais que devem agir por instinto, desejosos por terem relações sexuais. A Igreja, porém, os vê como filhos de Deus, não como objetos ou seres irracionais, que se atiram em um precipício vitimados pela incoerência e pelo desejo. E sabemos que onde os desejos falam mais alto a racionalidade cai ao extremo.

O tema escolhido para nortear este ato de extrema intolerância é o mesmo tema que o Senhor usa para falar do amor sincero e gratuito que devemos ter pelo próximo. Um amor que vai além de uma aparência corporal que logo cairá em putrefação. “Amai-vos uns aos outros” (Jo 15,12). Frase esta que Jesus dissera na ultima Ceia. Mas a frase não termina aí: “Como eu vos amei” (Idem). Esta é a segunda parte que eles ocultaram para deturpar a frase do Senhor e para justificar estas atitudes inexplicáveis. Ora, o amor de Cristo não é intolerante e não desrespeita, não ofende, não é mentiroso e é doado ao extremo. A Igreja sabe disso e transmite ao mundo este amor, mas, assim como outrora fora Jesus, também ela é crucificada por isso.

A perda de valores, como bem sugeriu o título, está causando um desgaste na sociedade. Ser homossexual virou “moda” e isso é totalmente inaceitável. O corpo não é uma roupa que se troca todos os dias, e também não é moda que progride com o tempo (se bem que hoje, falando-se de moda, não há progressão alguma, parece-me que cada dia mais está a deteriorar-se), São Paulo disse: “O corpo não é para a imoralidade” (I Cor 6,13).

Sabemos que há pessoas que nascem com esta tendência, e a Igreja, sabendo disso, os convida a viverem a castidade como via para chegarem à meta de todos os cristãos: contemplar a face de Deus. Mas infelizmente muitos não vivem esta proposta e procuram esconder-se, até mesmo na Igreja. Quantos padres homossexuais não estão a sujar o nome da Igreja, a desfigura-la e a ferir muitas famílias com essas atitudes incabíveis a um sacerdote e a qualquer outro cidadão de bem?

Sacerdócio e homossexualismo não podem caminhar juntos, não podem dar-se as mãos. Não se deve usar das Sagradas Ordens para esconder a sexualidade que é subjetiva. Antes se aceitavam pessoas com tendência homossexual, mas que não viviam o homossexualismo, hoje o nosso Santo Padre Bento XVI, de feliz reinado, sapientemente decidiu que nem mesmo as pessoas com tendência deveriam ser aceitas, uma vez que, no futuro, poderão vir a causar um eventual desgosto a Igreja, como, por exemplo, um problema de pedofilia. E sei que em muitos lugares esta lei não é cumprida. Romperam o vínculo com o Pastor instituído por Cristo. Alguns Bispos no Brasil, e talvez do mundo, têm “fome” para ordenar sacerdotes e ordenam a qualquer um que vier. Muitas vezes é alguém que tem um distúrbio sexual, ou quer servir a Igreja apenas para ter uma vida estável economicamente. Celebrar Missa e administrar os sacramentos é missão que deve ser assumida com amor, hoje vejo que estamos tendendo a fazer de algo tão importante uma atividade profissional, por falta, sobretudo, de um demasiado cuidado que os Bispos deveriam ter na formação dos futuros sacerdotes.

Mas é bom que os Bispos e os Padres não se esqueçam de que a missão deles é colaborar com o Santo Padre e não criarem “modismos” e “leis” que venham a ser contrárias ao que uma vez foi dito pelo Soberano Pontífice. A Igreja não é lugar para fazermos o que queremos, senão para agirmos na unidade. Quem não quer viver na unidade não é obrigado a permanecer na Igreja.

Sei que em minhas condições de um simples seminarista vocês podem perguntar-se: Como ele pode dizer isso? Será que não tem medo de ser expulso do Seminário? Com ordem de quem ele fala assim?  Tenham certeza de que pensei muitas e muitas vezes antes de afirmar tais coisas, mas não posso calar-me diante do que vejo, pois “não se opor a algum erro, é o mesmo que aprová-lo. Não defender a verdade é o mesmo que suprimi-la” (São Félix III, Papa). Enquanto há louváveis sacerdotes e bispos que prezam pela liturgia, pela unidade com o Papa, por zelarem por suas ovelhas; há outros que por nada prezam, muito menos pela unidade e pelo zelo litúrgico. Tem medo de falar a verdade para não ferir alguém, mas preferem conviver com a mentira que pode fazer perder uma alma.

Quando algum sacerdote manifesta-se em favor do Papa, de seus pensamentos, de sua belíssima ação, é chamado de retrógrado, ultrapassado, que não preza pela unidade porque apoia um Papa que só causa desunião. Vejo que estes que assim atacam os verdadeiros defensores da Igreja são pessoas sem nenhum exemplo de vida, que, por verem-se ameaçadas em seu comodismo preferem atacar aos fieis. Ora, se não estão contentes com as ações do Papa e com o seu modo de pensar, se for para atacar a Igreja, então é melhor que saiam dela, pois pior que um lobo em pele de cordeiro que vem atacar a Igreja, é um lobo em pele de pastor que vem arruiná-la por dentro.

Não dá para calar-me diante do erro! E se o que aqui disse incomoda então tenho certeza de que digo a coisa certa, pois a palavra de Deus é para incomodar-nos e não para acomodar-nos.

Mas a perda de valores vai além e é estimulada sobretudo pelos meios de comunicação. Vemos emissoras que em suas novelas exibem beijos homossexuais, como se já não bastasse em todas as novelas terem um casal gay, relações incestuosas, promiscuidade na juventude, incentivo ao aborto e tantas outras imoralidades. Por que não colocam os jovens que vivem a santidade, que lutam contra o pecado, que acorrem a Igreja, nas tribulações e encontram consolo, cristãos que lutam para seguirem o exemplo de Cristo e dos santos? Tudo isso para terem audiência, sem saber que a primeira audiência que ganham é a do demônio, que age por trás de todas essas coisas.

Estou cansado e desgostoso de ver essas perdas de valores nos vários âmbitos da sociedade. Não podemos desistir de lutar. Conclamemos a todos os cristãos para que levem ao mundo a verdade, sem temerem as perseguições e adversidades; que estejam em união com a Igreja e seus pastores, primeiramente com o Papa e o Colégio Apostólico e que confiem unicamente naquele que pode nos sustentar: Jesus Cristo. Que Maria santíssima, nosso pai são Bento, São Miguel Arcanjo e todos os santos venham em nosso auxílio e intercedam por nós.