Reforma política ou oportunismo político?

Ultimamente temos visto desvencilhar-se uma verdadeira aventura com relação à dita Reforma política que vem sendo apoiada pelo PT e por companheiros de sua alçada, que sabem bem o perigo que esta constitui para o bom desempenho da democracia e do respeito à população brasileira e, contudo, insistem em sua aprovação. Mas estes mesmos que litigam o direito do povo sob seus comandos, são os que, de forma ignominiosa, cuidam rapidamente de esfacelar a democracia e reter oportunamente o dinheiro do povo para seus cofres e bolsos, enquanto a miséria assola o País e a taxa de juros reais absurdamente chega a ser a mais alta do mundo. Além disso, bem sabemos que esta reforma está inserida estrategicamente num contexto de interesses e oportunismos, oportunismo esse que o PT conhece desde os tempos pretéritos, quando o ex-presidente Lula conjugou religião e política, levando alguns membros da Igreja a serem capachos de seu partidarismo vazio e, logo após, deixando-os à margem.

O Partido dos Tolos Trabalhadores está tentando fazer uma inserção política no Brasil que nada mais é do que uma tentativa escancarada de golpe, que só não percebe quem não lê e por isso é tapado, ou quem já é tapado de natureza e por isso não lê (geralmente os que balburdiam junto a estes partidos).

O que está no plano de fundo deste projeto não passa de um golpe à democracia. Sim, estes mesmos senhores que brigaram para derrubar a ditadura militar, para conseguirem o tão grande direito a “liberdade de expressão” agora querem privar o povo desta mesma liberdade pela qual disseram lutar. Ou acaso financiar com dinheiro público as campanhas eleitorais não é um ataque a democracia? O povo já é obrigado a ver lixo sem pagar, imagine ter que pagar para ver o lixo, com dinheiro de impostos que certamente irão aumentar mais e mais, a ponto de chegarmos numa realidade já presenciada há um tempo neste País, onde se trabalhava somente para pagar impostos porque tínhamos uma economia instável, variando dia após dia.

O voto em lista pré-ordenada que vocês viram acima consiste em perdermos o direito da escolha do vereador e dos deputados estaduais e federais. Em quem votaremos então? No partido! Como serão escolhidos os candidatos? O partido escolherá quem ele quiser. Esse projeto não é de forma alguma de “iniciativa popular”, como notamos em seu enunciado, mas sim um embuste daqueles que não estão centrados no bem do povo e do país, propagadores de ideologias que tendem a beneficiar o próprio grupo ou o próprio bolso.

Quanto a Igreja, acho que ela já sabe bem a que ventos seríamos conduzidos se este plebiscito fosse aprovado. Esta panaceia do PT pode ser o prenúncio de um governo movido pelo poder ditatorial, mas também de um laicismo marcado pela falsa intolerância, que costumeiramente denomino “tolerância intolerante”, onde eles dizem tolerar toda a manifestação da fé, mas repudiam e execram os nossos símbolos religiosos e as nossas manifestações públicas.

Quem sabe se a CNBB se manifestasse em favor da liturgia, tão dilacerada até mesmo por sacerdotes, fizesse frutos maiores e mais necessários do que se posicionar a favor de uma reforma que poda a liberdade e faz recair sobre os ombros do povo um capricho dum partido de esquerda?

Prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, ou “Quem espera que o diabo ande pelo mundo com chifres será sempre sua presa.” (Schopenhauer)