Deus habita em uma família

Após a Solene Celebração do Natal, e ainda nestas festividades, dado que estamos na Oitava (os oito dias que se seguem após a celebração do Natal, como sendo um único e mesmo dia), a Igreja nos convida a celebrar a Festa da Sagrada Família, protótipo para todas as famílias.

Vivemos em uma sociedade que visa desestruturar a família, “Igreja doméstica” (Papa João Paulo II) e de onde brotam todas as vocações. Neste dia, contemplando a condição humana de Jesus, vemos como Ele também quis estar numa família, dando valor à mesma. A família é o núcleo da sociedade. Não há sociedade sem família! Os diversos programas que vemos hoje, sobretudo na questão da sexualidade, como os métodos que visam impedir o nascimento de novos seres humanos, devem ser repudiados pois se põe contra os preceitos evangélicos. A família é dom de Deus e, como tal, deve ser preservada.

Na primeira leitura medita-se o livro do Eclesiástico onde se ressalta o respeito aos pais, o qual todos os filhos devem manifestar. É necessário que os filhos, para constituir uma damília segundo o Evangelho, saibam respeitar os pais. O próprio Jesus, como nos narra São Lucas, respeitava a sua mãe e ao seu pai, José, mesmo sabendo que não era pai biológico: “Jesus desceu, então, com seus pais para Nazaré e era obediente a eles” (Lc 2,51). Também a obediência aos pais faz parte dos mandamentos. E por que? Será tão importante essa obediência que, por meio dela, poder-se-á gerar cidadãos melhores e cristãos melhores. Também para a glória a honra é uma das vias necessárias. Se não honramos como poderemos chegar a glória? Se não honramos nossos pais poderíamos honrar a Deus?

O livro do Eclesiástico ainda afirma: “Deus honra o Pai nos filhos e confirma, sobre eles, a autoridade da mãe. Quem honra o seu pai, alcança o perdão dos pecados; evita cometê-los e será ouvido na oração cotidiana” (3, 3-4).

A honra dada aos pais confirma-se nos filhos. E que retribuição teremos por esta honra atribuída? O perdão dos pecados, além de não mais cometê-los. E mais ainda: será ouvido na oração cotidiana. Para isto basta que respeitemos, amemos, tenhamos paciência, com nossos pais.

Deus não é mais inacessível, mas faz-se homem na pessoa de Jesus. Por isso poderíamos perguntar: como Deus, criador de tudo, submete-se à tutela de Maria e José? Ora, fazendo-se homem Jesus aceita também ser formado como homem, Ele aceita passar por todos os estágios e todas as condições humanas, exceto o pecado.

O amor que Deus tem por nós manifesta-se também no amor dos pais. Não pertencemos a ninguém! Os filhos não pertecem aos pais, mas são confiados por Deus a eles para que cuidem por um tempo. Abramo-nos ao amor de Deus! Deixemos que seu amor possa transormar-nos e fazer de nós pessoas mais convictas da nossa identidade cristã.

Na segunda leitura São Paulo dirige uma mensagem a família, mas também nos une a família trinitária, que é modelo perfeito e inigualável de família.

“Vós sois amados por Deus, sois os seus santos eleitos. Por isso, revesti-vos de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente, se um tiver queixa contra o outro. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também” (Cl 3, 12-13).

Este convite de Paulo, não obstante esses dois mil anos, continua a ressoar de forma clara e nos convida a abrirmo-nos ao amor de Deus. Somos chamados à santidade, somos eleitos, mas, para isso, devemos assumir condições que muitas vezes não nos parece fácil. Fomos perdoados pelo Senhor, e em cada confissão que um sacerdote administra é Deus que nos perdoa; é Ele que se volta para nós com olhar de misericórdia e ternura. E assim como por Ele fomos perdoados, perdoemos também nós. Não guardemos mágoas, ressentimentos, mas abramo-nos ao perdão. Se ao menos não amamos o próximo, que o suportemos, como nos recomenda o apóstolo, de certo, há pessoas que são impossíveis de se amar.

Que a palavra de Cristo habite em vós com abundância” (v. 16). Cristo é A Palavra por excelência do Pai. O Verbo, o Logos, faz-se carne para que os homens possam tornar-se divinizados. A condição divina do homem é a contemplação da face de Deus por toda a eternidade. Assim, o homem tornar-se divino não é impossível, mas uma condição escatológica de participação no Reino de Deus. Logo, ao nos convidar a abrimo-nos a palavra de cristo, Paulo nos chama a abrimo-nos a Cristo, Senhor e Juiz da História. As famílias são também convidadas a estarem com Cristo, só assim elas encontrarão força para resistir às tentações e superar as tendências relativistas e pornográficas dos dias de hoje, que tentam infundir novas ideias em seu seio.

Falando às famílias São Paulo diz: “Mulheres, sede submissas a vossos maridos, como convém no Senhor. Maridos, amai vossas esposas e não sejais ásperos com elas. Filhos, obedecei em tudo aos vossos pais, pois isto agrada ao Senhor. Pais, não irriteis vossos filhos, para que eles não desanimem” (v. 18-21).

O respeito e o amor na família fazem falta em muitos lares hoje. São Paulo pede que as mulheres submetam-se aos maridos, como convém, no Senhor. Esta submissão hoje poderíamos afirmar como uma dedicação da esposa para com o esposo. Infelizmente, muitas mulheres hoje já não respeitam seus maridos e não o amam. Aos maridos, que amem suas esposas e não sejam duros com elas. A traição presente entre os casais e que tem se mostrado cada vez mais presente em nossos dias é uma praga que corrói os ambientes familiares e tira o valor e a sacralidade do seio familiar. Assim também é o divórcio, o aborto, etc.

A Santa Mãe Igreja condena todas estas formas de violação da sacralidade familiar, pois ferem o amor de Deus que faz-se presente em cada membro da família. E, como já ficou dito, todos são chamados à santidade.

No Evangelho, vemos a cena da fuga de Jesus, Maria e José para o Egito. Ainda pequeno Jesus já era perseguido por Herodes (que representa o poder do mal). Herodes imaginava que Jesus, Rei dos reis, fosse tomar o seu trono; no entanto, ele não sabia que o Reino de Jesus divergia-se do reino dos homens. Seu reino não é daqui, não é um reino do interesse econômico, mas é o Reino do amor e da paz.

O cerne da narração evangélica é o cumprimento da palavra do profeta: “Do Egito chamei meu filho”. Esta profecia aplicava-se ao povo de Israel, mas encontra pleno cumprimento em Jesus Cristo. Como o povo de Israel atravessou o deserto para que chegassem à Terra prometida, assim também Jesus atravessou o deserto, renovando de forma incomparável o cumprimento da promessa da salvação. Vemos também que assim como o Faraó tratou de matar os meninos hebreus, Herodes mata os filhos de Belém; Aqui nasce a Festa dos Santos Inocentes, que celebraremos no próximo dia 28. Eles doam sua vida pelo Menino-Deus – são os primeiros mártires. Não temem a morte. Jesus, como um novo Moisés, escapa da matança e refaz a peregrinação do povo de Israel para a salvação. Como Moisés foi educado na casa da filha do Faraó, por sua própria Mãe, a Jesus também aprouve ser educado por seus pais.

Que Jesus encontre em nossas famílias uma feliz recepção. E que tenhamos em mente que o Natal sempre se renova, e neste “hoje” do Natal queremos confiar todas as famílias à proteção da Sagrada Família.

Quanto a nós, caminhemos segundo as Escrituras e estejamos seguros nas mãos de Jesus, Maria e José!

É hora de despertarmos! O Senhor vem ao nosso encontro!

Com o 1º Domingo do Advento, damos início ao novo tempo litúrgico que acontece nos ciclos trienais da Igreja.

Precisamente no Advento vemos “nascer” em nós a expectativa da vinda do Senhor. O Messias que vem para libertar-nos do mal e nos redimir com o Seu sangue redentor. É um tempo de deixar que floresça uma nova vida, unida a Deus e submissa aos seus mandamentos. E isto São Paulo nos apresenta na segunda leitura, particularmente, em uma passagem que consideramos riquíssima e profunda, pondo-nos em contato com Deus, que nos chama a sermos filhos da luz. Escreve ele:

“Vós sabeis em que tempo estamos, pois já é hora de despertar. Com efeito, agora a salvação está mais perto de nós do que quando abraçamos a fé. A noite já vai adiantada, o dia vem chegando; despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da luz. Procedamos honestamente, como em pleno dia; nada de glutonerias e bebedeiras, nem de orgias sexuais e imoralidades, nem de brigas e rivalidades. Pelo contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo” (Rm 13, 11-14a).

Paulo utiliza de palavras escatológicas para alertar aquela comunidade e também a nós, sobre a demasiada situação de ociosidade. É hora de despertarmos! O Senhor vem ao nosso encontro, mas a nossa vida só terá verdadeiro sentido quando também nós formos ao encontro d’Ele. Este ir não deve ser apenas uma experiência de Cristo, senão também uma experiência nossa. Obviamente que Paulo se referia também a uma possível vinda iminente do Senhor Jesus para encerrar a História; no entanto, estas palavras que ecoam ainda hoje nesta sociedade que alguns vivem contra os valores do Evangelho, convidam-nos a um imediato despertar diário, e não apenas no momento próximo ao advento definitivo de Cristo Jesus.

https://beinbetter.files.wordpress.com/2010/11/nossa-senhora-gravida1.gif

Nossa Senhora da Expectação

Mais adiante, o apóstolo nos afirma que a salvação está mais próxima que antes, nos primórdios, ao abraçarmos a fé. Não nos é difícil compreender tais palavras, pois, ao abraçarmos a fé ela ainda está como que imatura; mas, com o decorrer da caminhada ela se torna firme, consistente. Mas, para isso, é preciso que ela seja colocada no coração do Pai, e que n’Ele encontre o seu princípio e fim. Comparemo-la a uma planta que, para tornar-se verdejante e bela, precisa ser bem cuidada e receber toda a dedicação.

Aqui chegamos a uma das passagens de Paulo que mais me toca e fazem-me associá-las de imediato com a hodierna sociedade, com as quais ela incide e se configura. Despojar-nos das ações das trevas! Afastemo-nos da impureza! Abramo-nos a Cristo! Para que, entrando em nossas vidas, possamos achar plena realização, que dar-se-á unicamente n’Ele. Nos afastemos de tudo o que é mal! Nos afastemos do pecado, da ganância, da luxúria, da preguiça, da falta de amor, das drogas. Deixemos que Cristo seja a nossa armadura. Revistamo-nos d’Ele! Ele nos faz vencer qualquer perigo! Não é preciso que usemos de objetos violentos, mas que levemos conosco e em nós, aquele que pode nos dar a eterna felicidade; que é doce e, ao mesmo tempo, rigoroso, não obstante a isso, mesmo em sua rigorosidade, Ele é infinitamente misericordioso.

Assim, pois, escreve Santo Agostinho:

“Quem não tem inquietações, aguarda com serenidade a vinda do Senhor. Pois que amor a Cristo é esse que teme sua chegada? Irmãos, não nos envergonhemos? Amamos e temos medo de sua vinda. Odiemos, portanto, estes mesmos pecados e amemos aquele que virá castigar os pecados. Ele virá, quer queiramos, quer não. Se ainda não veio, não quer dizer que não virá. Virá em hora que não sabes; se te encontrar preparado, não haverá importância não saberes” (Santo Agostinho Apud Alimento Sólido, pág. 61).

A que horas vem o Senhor? A qualquer hora! Ele virá e nós seremos surpreendidos pela sua gloriosa vinda. E isto relata-nos Jesus no Evangelho de São Mateus: “A vinda do Filho do Homem será como no tempo de Noé. Pois nos dias, antes do dilúvio, todos comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. E eles nada perceberam, até que veio o dilúvio e arrastou a todos. Assim acontecerá também na vinda do Filho do Homem” (vv. 24, 37-39).

Na hora menos esperada vem o Senhor. E eis que devemos prepararmo-nos. Qual é o prazer que o pecado pode oferecer se sabemos que, por seu jugo poderemos padecer por toda a eternidade? Podemos nos perguntar se não é melhor sofrermos agora do que sofrer durante toda a eternidade?

Ora, como a imprudência dos homens fez com que Deus devastasse o mundo com o torrencial dilúvio, assim serão também as almas imprudentes e que fecham-se ao Evangelho, destinadas ao eterno tormento. É melhor padecermos aqui, abraçando a Cristo e tendo todas as consolações que d’Ele provêm.

Na quinta-feira passada estava andando pela rua, e em minha pequenina cidade todos sabem da minha vocação à vida sacerdotal. De repente, ouvi alguém gritar: “Os Padres são pedófilos!” E correu! Ora, sabia que aquelas palavras se dirigiam para mim. Mas o que fiz? O que poderia fazer senão rezar? Eu sei que os padres, em sua grande maioria não são pedófilos, mas sei também que Satanás se utiliza de diversas artimanhas para nos desviar do caminho de Cristo. Pois saiba Ele que, quanto mais nos provar mais serei fiel e mais rezarei. Tenho consciência que devo padecer aqui, para só em Cristo ser feliz eternamente.

Que Maria Santíssima nos ajude a esperarmos vigilantes e na oração o Seu Filhg Bendito. E que este novo Ano Litúrgico possa renovar-nos e colocar-nos em comunhão profunda com Jesus.