A eficácia da oração

“Através desta oração coral, que encontra o seu cume na participação cotidiana no Sacrifício Eucarístico, a vossa dedicação ao Senhor no silêncio e no escondimento é tornada fecunda e fértil, não somente em ordem do caminho de santificação e purificação pessoal, mas também no que diz respeito àquele apostolado de intercessão que desenvolveis por toda a Igreja, para que possa aparecer pura e santa diante do Senhor. Vós, que bem conheceis a eficácia da oração, experimentais todo o dia quantas graças de santificação ela pode obter à Igreja.”

(Papa Bento XVI, Homilia no Mosteiro Dominicano de Santa Maria do Rosário; 24 de junho de 2010)

O Santo Padre mais uma vez manifesta-nos a necessidade constante da oração, e não apenas dela, como também da vida contemplativa. Urge cada vez mais alto a necessidade de termos pessoas constantes na oração, que possam levar uma vida contemplativa e nela descobrir o verdadeiro rosto de Deus. Verdadeiramente não são as alegrias terrenas que nos farão contemplar a face de Deus, mas o nosso interior, a nossa condição de pessoas e de cristãos.

Para quantos no mundo hodierno parece-se uma insensatez, ou até mesmo uma loucura, a vida de clausura, ao qual muito dos nossos irmãos se detém? Mas a Igreja, constantemente, por meio dos Santos Padres sobretudo, nos convida a olharmos de forma diferenciada para esta vida de oração que a muitos enriquece. Quem sabe orar faz da sua vida um céu, quem não sabe a transforma em um inferno. Isto porque se a oração não nos dirige para Deus, e fere a nossa fé cristã nos fazendo cair na presunção da autossuficiência, não poderá ser boa e muito menos poderá pôr-nos em profundo contato com Deus, mas atirar-nos-á em um abismo, um existencialismo puro, sem um destino e sem Alguém que lhe dará pelo valor.

Só a oração verdadeira e íntima com Deus, que brota do coração, pode realmente fazer com que os homens e mulheres – especialmente os que dedicam suas vidas a rezar pelo mundo nos mosteiros – sintam o abraço do Pai e nele encontrem plena realização. Em um mundo tomado por ideologias que contrastam fortemente os sagrados ensinamentos evangélicos e os preceitos da moral católica, somos convidados a perseverar, como bem nos exorta São Pedro: “Sede, portanto, prudentes e vigiai na oração.” (1 Pd 4, 7).

São João Crisóstomo fala sobre os monges:

Ali há uma só riqueza para todos, a verdadeira riqueza, e uma só glória para todos, a verdadeira glória, pois não põem os bens nos nomes, mas nas coisas: um só prazer, um só desejo, uma só esperança para todos. Tudo está perfeitamente ordenado como com régua e esquadro. Não há ali desordem alguma. Tudo é ordem, ritmo e harmonia, e concórdia absoluta, e motivo constante de alegria. Por isto todos fazem e sofrem tudo para que todos vivam felizes e contentes. E assim, só entre os monges podemos ver esta pura alegria que não acontece em nenhuma outra parte, não só porque desprezaram o presente e cortaram pela raiz toda ocasião de dissensão e luta; não só porque têm as mais belas esperanças para o futuro, mas também pelo fato de que cada um considera como seu tudo quanto acontece de alegria ou tristeza aos demais. Deste modo, a tristeza desaparece facilmente, pois todos levam a carga, como se fossem um só, e se acrescentam os motivos de alegria, pois não se alegram só pelos próprios bens, mas também – e não menos que pelos próprios – pelos bens alheios”.

Contra os impugnadores da vida monástica
Discurso III, cap. 21

Se muitos soubessem o verdadeiro valor da vida monástica e religiosa não a atacariam tão vorazmente, e muito menos a colocariam como castigo. Da oração brota o amor. E quem primeiro ama são aqueles que mais rezam. Logo, em nenhum momento ousaria dizer que amo mais que um religioso, ou um monge, ou uma freira. É Deus que ama o mundo por meio deles, é Deus que nos ama por meio dos sacerdotes.

Os Santos são exemplo vivo disto: Santa Teresinha do Menino Jesus, São Bento, Santo Antonio e tantos outros, que, apesar de não serem monges, viviam em alguma congregação.

Doar-se e doar-se sem reservas: eis um lema que deve centralizar a vida cristã. Aquele que se doa em primeiro lugar doa-se à oração. E se muitos soubessem o inexaurível valor da oração não a excluiriam de suas vidas, mas saberiam que ali achariam forças para nutrir a caminhada neste mundo e nos garantir a salvação no próximo.

Não basta rezar, é necessário saber rezar.

Encerro com as sábias palavras de São Paulo, que são tão consoladores à todos nós: “Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração” (Rm 12, 12).

Fraternalmente em Cristo Jesus e Maria Santíssima!

Anunciar o que vem do céu

Não é, portanto, nada de admirar se ainda hoje nalguns lugares se odeia o nome cristão; se, de diversos modos e com diversos métodos, é a Igreja em muitas regiões impedida de cumprir a missão divina que recebeu; e se, finalmente, não poucos católicos se deixam enganar com falsas doutrinas e se põem em grave perigo de perder a eterna salvação. Dê a todos nós força e ânimo a promessa do divino Redentor: “Eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos”.(Mt 28,20.) Do céu nos alcance força S. Bonifácio, que, para levar o reino de Cristo a povos hostis, não recusou trabalhos aturados, ásperos caminhos e até a própria morte, que afrontou com fortaleza e confiança, derramando o próprio sangue. Com a sua intercessão obtenha ele de Deus invicta fortaleza de ânimo àqueles, sobretudo, que se encontram hoje em situação angustiosa por causa das maquinações dos inimigos de Deus; e chame também ele todos naquela unidade da Igreja, que foi não só constante norma o proceder, mas também anseio ardente que o fez perseverar toda a vida em tão diligente atividade. (Papa Pio XII, Carta Encíclica Ecclesiae Fastos, 39).

Celebrando a Festa de São Bonifácio, recordei-me desta passagem da Encíclica, acima citada, escrita pelo Servo de Deus Pio XII, para as comemorações do XII centenário da morte de São Bonifácio. Tais palavras são presentes de forma constante no mundo hodierno. Como São Bonifácio, muitos não cansam de dar suas vidas pela causa do Evangelho.

A Igreja tem sido constantemente atacada. Mas, se perguntarmo-nos do porquê a Igreja é alvo de tanta perseguição, não precisaríamos ir muito longe, basta que olhemos as recomendações de São Paulo aos Galátas, tomada com tanto fervor pelo Santo hoje lembrado: “Asseguro-vos, irmãos, que o evangelho pregado por mim não é conforme a critérios humanos. Com efeito, não o recebi nem aprendi de homem algum, mas por revelação de Jesus Cristo” (Gl 1, 11-12). Aqui está a causa central de toda a perseguição. Recentemente o Papa Bento XVI afirmou: “as perseguições também são prova da autenticidade de nossa missão apostólica.” E isto podemos constatar cada vez mais.

Ela deriva do fato que a Igreja prega aquilo que lhe foi ordenado por Cristo e transmitido pelos apóstolos. E eis que o Evangelho de Jesus, seus ensinamentos, contradizem todas as perspectivas de um mundo que é laicista, com ideologias marxistas e comunistas, anti-vida e anti-família. E não pode a Igreja buscar agradar ao mundo. Seu único prazer deve estar em Cristo Jesus. Por isso, se às vezes a Igreja é tida com retrógrada ou conservadora é porque não cede, e nunca irá ceder, às idéias que brotam das mentes humanas, pretendendo que se abandone aquilo que é seguramente divino.

“Se nós mesmo ou um anjo do céu vier e lhe anunciar um outro evangelho diferente do que temos pregado, que seja considerado maldito” (Gálatas 1, 9). Infelizmente têm surgido muitos “evangelhos”, mas não há um verdadeiro, senão o da única Igreja, subsistente em Nosso Senhor Jesus Cristo e que conduz todos os que nela permanecem à salvação.

Paulo designa a Igreja como “coluna e sustentáculo da verdade” (1Tim 3,15), ou seja: A Igreja sustenta a Verdade, que é Cristo Jesus e o que Ele lhe transmitiu. Por isso aqueles que se desviam da verdadeira doutrina atiram-se no poço da perdição e do erro. Ela é corpo místico de Cristo, Cabeça. Os que nela permanecem estão em Cristo, são guiados por Ele.

O que São Bonifácio viveu, dando testemunho até o martírio, é reflexo do que muitos cristãos vivem hoje. Perseguições e injúrias. Sabemos que Jesus não prometeu vida fácil a nenhum de seus seguidores; pelo contrário, ele foi firme ao afirmar: “Se alguém quiser seguirMe, tome a sua cruz e siga-Me” (Lc 9, 23). E tome a cruz justamente porque ela significa sofrimento, renúncia. O cristão que não é capaz de renunciar também não é capaz de dar testemunho do Evangelho. Somos chamados a viver a radicalidade do Evangelho, no seu todo. Não vivo o Evangelho pela metade, porque quem vive pela metade não é digno de ser chamado cristão. Só pode ser cristão quem assume uma vida firmada nos conceitos evangélicos, quem é capaz de, como São Bonifácio, doar sua vida em prol do Reino de Deus.

Mesmo sendo Bispo, Bonifácio, viveu a humildade, foi martirizado. Creio que está na hora de muitos Bispos olharem para a figura de São Bonifácio e nele verem o modelo ideal para suas vidas: Humildade e Obediência. Obediência a Cristo e ao Papa.

São Bonifácio, rogai por nós!

Fraternalmente em Cristo Jesus e Maria Santíssima!

25 de maio: São Gregório VII

Fonte: Cléofas

null

Sua vocação era a vida monástica. Mesmo no sólio pontifício usava o capuz beneditino. Hildebrando de Soana, toscano, nascido em 1028, parece ter iniciado sua vida monástica em Cluny. Após ter colaborado com os papas são Leão IX, que o nomeou abade de são Paulo, e Alexandre II, foi proclamado papa pelo povo. Era o dia 22 de abril de 1073. Oito dias depois os cardeais confirmaram a eleição, que ele aceitou com “muita dor, gemido e pranto.” Feito papa com o nome de Gregório VII, realizou com muita coragem o programa de reformas, que ele mesmo já havia planejado como colaborador de seus predecessores: luta contra a simonia e contra a intromissão do poder civil na nomeação dos bispos, dos abades e dos próprios pontífices, restauração de uma severa disciplina para o celibato. Encontrou violentas resistências também da parte do clero.

No concílio de Mogúncia os clérigos gritaram: “Se ao papa não bastam os homens para governar as Igrejas locais, que dê um jeito de procurar anjos.” O papa confiava seus sofrimentos aos amigos com cartas que revelavam toda a sua sensibilidade, sujeita a profundos desconfortos, mas sempre pronta à voz do dever: “Estou cercado de uma grande dor e de uma tristeza universal – escrevia em janeiro de 1075 ao amigo S. Hugo, abade de Cluny – porque a Igreja Oriental deserta da fé; e se olho das partes do Ocidente, ou meridional, ou setentrional, com muito custo encontro bispos legítimos pela eleição e pela vida, que dirijam o povo cristão por amor de Cristo, e não por ambição secular.”

No ano seguinte teve de enfrentar o duro desentendimento com o imperador Henrique IV, que se humilhou em Canossa mas, logo depois, retomou as rédeas do império, vingou-se com a eleição de um antipapa e marchou contra Roma. Gregório VII, abandonado pelos próprios cardeais, refugiou-se no Castelo Santo Ângelo, de onde foi libertado pelo duque normando Roberto de Guiscardo. O papa foi depois, em exílio voluntário, para Salermo, e aí morreu, um ano depois, pronunciando a célebre sentença: “Amei a justiça e odiei a iniquidade, por isso morro no exílio.”

Seu corpo foi sepultado na catedral de Salermo. Foi canonizado em 1606. Acostumados a ver neste papa um lutador empenhado com um braço de ferro contra o irrequieto imperador, não devemos esquecer o humilde servo da Esposa de Cristo, a Igreja, por cujo decorro trabalhou e sofreu a fim de que “permanecesse livre, casta e católica.” São as últimas palavras que ele escreveu na carta do exílio de Salermo, para convidar os fiéis a “socorrer a mãe”, a Igreja.

O Pontífice romano é o primeiro e o maior entre todos os bispos

«O erro daqueles que pretendem que o vigário de Jesus Cristo, o Pontífice de Roma, não tem o primado na Igreja universal parece-se com o daqueles que pretendem que o Espírito Santo não procede do Filho. Pois Cristo Jesus, Filho de Deus, consagra a sua Igreja e marca-a com o sinal do Espírito Santo, como do Seu carácter e selo, o que é manifesto nos escritos dos Padres que citámos antes. Temos agora de provar, pela autoridade dos Padres gregos que esse Vigário de Jesus Cristo possui a plenitude da piedade sobre toda a Igreja. Com efeito, o Cânone do concílio prova expressamente que o Pontífice romano, sucessor de S. Pedro e vigário de Jesus Cristo é o primeiro e o maior de todos os bispos. “Nós confessamos, e está escrito, segundo as Escrituras e a definição dos Cânones, que o santíssimo Pontífice da antiga Igreja de Roma, é o primeiro e o maior de todos os bispos”. Isto é conforme à Sagrada Escritura, que atribui a S. Pedro o primeiro lugar entre os Apóstolos, tanto nos Evangelhos como nos Actos dos Apóstolos. É o que faz dizer a S. João Crisóstomo, no seu Comentário a S. Mateus sobre estas palavras: “Os discípulos aproximaram-se de Jesus dizendo: ‘quem é o maior no Reino dos Céus?’”, “Porque eles estavam escandalizados, sem o poder dissimular, como não podiam comprimir o seu orgulho humilhado, pois que viam que S. Pedro tinham sobre eles a primazia e a honra.

«O mesmo Pontífice tem o primado sobre toda a Igreja de Jesus Cristo

«É igualmente demonstrado que o Vigário de Jesus Cristo tem o primado na Igreja Universal. Lemos no concílio de Calcedónia, que “todo o Sínodo se exclama ao dizer ao papa Leão: ‘Viva o santíssimo pai Leão, apostólico e ecuménico’, ou seja universal. E S. João Crisóstomo sobre S. Mateus: “O Filho concedeu a S. Pedro o poder que vem do Pai e do próprio Filho, sobre todo o universo. E ele deu a um homem mortal a autoridade sobre tudo o que está no Céu, ao confiar-lhe as chaves, para estender a Sua Igreja a toda a Terra”. E na sua Homilia sobre S. João, c.VIII diz: “Ele estabeleceu S. Tiago num só lugar, mas fez de S. Pedro mestre e doutor de todo o universo”. E também sobre os Actos dos Apóstolos: “S. Pedro recebeu do Filho autoridade sobre todos os que lhe pertencem, não como Moisés sobre um só povo, mas em todo o universo.” Isto deduz-se também das Sagradas Escrituras. Pois Nosso Senhor Jesus Cristo confiou a S. Pedro todos as suas ovelhas dizendo (Jo 24) “Apascenta as minhas ovelhas” e no cap. 10 “Para que haja um só rebanho e um só pastor”.

«Ele herdou o poder que Jesus Cristo deu a S. Pedro

«Prova-se que sendo S. Pedro o Vigário de Jesus Cristo e o Pontífice romano sucessor de S. Pedro, este último é o herdeiro do seu poder. Está escrito no Cânone do concílio de Calcedónia:; “Se algum bispo está acusado de infâmia, que ele tenha a liberdade de apelar ao bem-aventurado da antiga Igreja de Roma. Porque temos Pedro, nosso pai, por refúgio, e só a ele pertence o direito, no lugar de Deus, de conhecer a criminalidade de um bispo acusado, pelo poder das chaves que Deus lhe deu”. E mais adiante: “Que tudo o que ele decide seja aceite como do vigário do trono apostólico”. S. Cirilo, patriarca de Jerusalém, disse falando na pessoa de Cristo: “Tu por um tempo e eu eternamente, eu estarei com todos os que colocarei no teu lugar, pela autoridade e os sacramentos, como estou contigo”. S. Cirilo diz, no seu livro Thesaurorum, que “os Apóstolos afirmaram, no Evangelho, e nas suas Epístolas, que para a doutrina, Pedro e a sua Igreja tinham o lugar de Deus, dando-lhe a primazia em todas as reuniões e todas as assembleias, em todas as eleições e em todas as decisões”, e mais adiante: “Todos inclinam a cabeça diante dele (Pedro), de direito divino, e todos os primazes do mundo obedecem-lhe como ao Senhor Jesus”. S. João Crisóstomo diz, falando na pessoa do Filho: “’Apascenta as minhas ovelhas’, quer dizer, está à cabeça dos teus irmãos, em meu lugar.”» (Contra errores Graecorum,  parte 2, c. 32, 33 e 35)

Conhecer o Pai (Festa de São Filipe e São Tiago)

Neste dia celebramos a Festa dos Santos Apóstolos Felipe e Tiago Menor.

Estando a fazer algumas meditações do Evangelho do dia, encontrei neste muita riqueza e resolvi partilhar com vocês por meio deste artigo.

No Evangelho de hoje Filipe Jesus diz a Tomé: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim” (Jo 14, 6). Jesus fala usando o artigo definido “o”. Ou seja: Ele é o único caminho, a única verdade e a única vida. Não há outro. Só caminha corretamente, só possui a verdade única e só terá a vida eterna aquele que caminha para Cristo e caminha com Cristo. Sabemos que o mundo hoje nos oferece vários caminhos, que pressupostamente, a primeiro momento, parecem ser atraentes e nos convidam a uma “felicidade” eterna. Mas com o tempo estes caminhos tornam-se difíceis de serem caminháveis, isto porque o caminho de cristão com o tempo não se torna difícil, mas se torna acessível, dado que nos aproximamos de Deus. Mas o caminho do mal com o tempo torna-se difícil, porque aproxima-se do abismo.

Outro ponto que aqui destaco é a resposta de Jesus a Filipe ao pedir que Ele lhe mostrasse o Pai: “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces, Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai’?” (Jo 14, 9).

Filipe não compreendia que Jesus reflete o Pai. E não só reflete como também é da mesma substância. Ele e o Pai são um. Ele é o Amor misericordioso de Deus. Um Deus que se doa pela salvação do gênero humano.

Muitos, como Filipe, pedem a Jesus pra ver o Pai (Obviamente que quando falo em ver e conhecer refere-se ao sentido espiritual). Será que eles estão impedidos de vê-Lo? Será que Jesus não deixa que eles contemplem o Pai, mesmo que espiritualmente? Não! Quando estamos acorrentados a ideologias humanas, que tendem a limitar nossa vida a este mundo, ficamos, então, impossibilitados de ver o Pai, de compartilhar do seu amor e de sermos partícipes da vida eterna.

Conhecer o Pai significa abrir-se a esta experiência de deixar-se amar pelo Amor. De se tornar um com Cristo. Significa entrarmos e refugiarmo-nos no lado aberto pela lança, de onde brotam os sacramentos da Igreja.

Celebrar a Festa dos Santos Filipe e Tiago Menor é celebrar a certeza de um Deus que faz-se presente: primeiro na pessoa de Cristo, homem-Deus, e depois nos apóstolos que passaram estes ensinamentos à Igreja, por meio do qual nos é acessível esta Boa Nova.

Que Jesus ressuscitado, aquele que caminha conosco, possa ser o centro e o fim último de toda ação humana. Para ele ruma nossa humanidade peregrina.

Santos Filipe e Tiago, rogai por nós!

São Francisco de Assis – Ensinamentos

[A Igreja celebra hoje a Festa de São Francisco de Assis. O testemunho de vida deste Santo levou a muitos a adquirirem uma vida mais humilde, não pensando nos bens desta vida, mas nos bens da vida futura. Por isso, nada mais justo que pulblicar um ensinamento seu sobre a simplicidade.]

Da Carta a todos os fiéis, de São Francisco de Assis


Devemos ser simples, humildes e puros


O Pai Altíssimo anunciou a vinda do céu do tão digno, tão santo e glorioso Verbo do Pai, através de seu santo, Gabriel, à santa e gloriosa Virgem Maria, em cujo seio recebeu a verdadeira carne de nossa humanidade e fragilidade. Ele quis, no entanto, sendo incomparavelmente mais rico, escolher a pobreza junto com a sua santíssima mãe. Nas vésperas de sua paixão, celebrou a Páscoa com os discípulos. Depois, orou ao Pai dizendo: Pai, se for possível, afaste-se de mim este cálice (Mt 26,39).Pôs, contudo, sua vontade na vontade do Pai. E a vontade do Pai era que seu Filho bendito e glorioso, dado a nós e nascido para nós, se oferecesse em sacrifício e vítima no altar da cruz, pelo seu próprio sangue. Sacrifício não para si, por quem tudo foi feito, mas por nossos pecados, deixando-nos o exemplo para lhe seguirmos as pegadas (cf. 1Pd 2,21). E quer que todos nos salvemos por ele e o acolhamos com coração puro e corpo casto.

Ó como são felizes e benditos aqueles que amam o Senhor e fazem o que o mesmo Senhor diz no evangelho: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e ao próximo como a ti mesmo! (Lc 10,27). Amemos, portanto, a Deus e adoremo-lo com coração puro e mente pura porque, acima de tudo, disto está ele à procura e diz: Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade (Jo 4,23). É necessário que todos que o rito e em verdade (Jo 4,23). É necessário que todos que o adoram, o adorem no espírito da verdade. E dia e noite elevemos para ele louvores e orações, dizendo: Pai nosso que estás nos céus (Mt 6,9); porque é preciso orar sempre e não desfalecer (cf. Lc 18,1).

Além disto, produzamos dignos frutos de penitência (cf. Mt 3,8). E amemos os próximos como a nós mesmos. Tenhamos caridade e humildade e façamos esmolas, já que estas lavam as almas das nódoas dos pecados. Os homens perdem tudo o que deixam neste mundo. Levam consigo somente a paga da caridade e as esmolas que fizeram: delas receberão do Senhor o prêmio e a justa recompensa.

Não nos convém sermos sábios e prudentes segundo a carne, mas temos antes de ser simples, humildes e puros. Jamais desejemos ficar acima dos outros, mas prefiramos ser servos e submissos a toda criatura humana, por causa de Deus. Sobre todos os que assim agirem e perseverarem até o fim repousará o Espírito do Senhor e fará neles sua casa e mansão. Serão filhos do Pai celeste, pois fazem suas obras, e são esposos, irmãos e mães de nosso Senhor Jesus Cristo.

Postado em Sem categoria | Com a tag